Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Agroterrorismo e Amazônia
Macron já sabe o que enfrentará e precisa, além de desviar as atenções dos problemas franceses
13:42   28 de Agosto, 2019
231fe1af816f99b075ce610a76bf5da7.jpg

Nem mesmo o impeachment da presidente Dilma Rousseff conseguiu mobilizar os brasileiros para o debate como nesse caso dos incêndios na Amazônia e as ameaças à soberania nacional. Escrevi neste espaço artigo recente Agroterrorismo. Muitas controvérsias. Muita gente a favor das críticas internacionais e muita gente defendendo a soberania do Brasil na Amazônia.
Vamos a alguns números para embasar a tese de que se trata de agroterrorismo ligado à geopolítica do comércio internacional de um lado. De outro, a questões políticas internas da União Europeia. A produção de soja do Brasil na safra de 2019/20 está estimada em 123 milhões de toneladas. O maior produtor mundial, os EUA, está estimada em 113 milhões de toneladas. O Brasil deverá exportar 75 milhões de toneladas e os EUA 53 milhões. Isso por si só já revela bons argumentos pra uma guerra comercial mundial.
De outro lado, a União Europeia está enfrentando respeitável inferno astral. A saída da Inglaterra enfraquece o conjunto europeu. Mas ficará pior quando a Inglaterra estiver livre pra estabelecer acordos comerciais com quem quiser, hoje impedida pelas regras a países membros. A França enfrentará uma eleição presidencial em 2022. 

Com o enfraquecimento das principais economias europeias como a França, a Alemanha e a Itália, principalmente, o continente entrará em recessão econômica provavelmente a partir de 2020. Macron já sabe o que enfrentará e precisa, além de desviar as atenções dos problemas franceses, onde enfrenta severos desgastes políticos. Nas suas costas desordens sociais provocadas pelas imigrações, enfraquecimento da economia e desemprego.

Nos próximos anos guerras não declaradas serão estabelecidas entre países ricos por fatias do mercado exportador. O Brasil vai entrar nessa guerra como produtor de alimentos e como detentor de ativos estratégicos ambientais como água, oxigênio, minerais, sustentabilidade e tecnologias da produção agro. O renascimento do Brasil diante do mundo depois das reformas estruturais em andamento, complicará bastante esse cenário já complicado por si mesmo.
É dentro desse cenário que surgem os incêndios na Amazônia. No fundo, quando se passa tudo isso a limpo, vai nos restar mesmo uma única questão: a soberania brasileira sobre a região. É aí que o Brasil deve focar suas posições.
 
Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte