Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Com comprovação de fraude, eleição de conselheiros é cancelada em Alta Floresta
Eleitores de outros municípios vieram votar em Alta Floresta na eleição de conselheiros tutelares
13:10   23 de Outubro, 2019
9d2293a92ad1beca56c0a7993b5af3b0.jpg

Reportagem
Mato Grosso do Norte

A presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente- CMDCA- Marcia Trindade, anunciou o cancelamento das eleições para os conselheiros municipais em Alta Floresta, por comprovação de fraude eleitoral. A eleição que havia elegido os novos conselheiros foi realizada no dia 6 de outubro. No entanto, 8 candidatos decidiram entrar com ação de denúncia junto ao Ministério Público, afirmando que eleitores de outros municípios votaram em Alta Floresta.
A outra eleição acontecerá no dia 24 de novembro. Na apuração da denúncia, pelmo menos em dois casos ficou comprovado que os eleitores eram de outros municípios. “Temos que seguir o edital. Após a eleição, houve a denúncia. E fomos apurar os fatos e, realmente, tiveram pessoas de outros municípios que votaram. O edital deixa claro que somente moradores de Alta Floresta podem votar. Diante disto, tivemos que cancelar as eleições, já que um grupo de candidatos se sentiram prejudicados”, disse a presidente do Conselho.

Os mesmos 23 candidatos que participaram da primeira eleição vão poder concorrer novamente. Segundo Marcia Trindade, até agora nenhum deles manifestou  interesse em desistir da eleição. 

Assim como nas demais cidades brasileiras, a eleição para eleger os conselheiros tutelares este ano em Alta Floresta, conforme Marcia, foi bastante concorrida. Como só haviam dois locais de votação, um grande número de eleitores formaram filas aguardando sua vez de votar.
“As pessoas se despertaram para a importância da eleição do conselho tutelar, o que nunca tinha havido em Alta Floresta. E fomos pegos de surpresa com esta situação. Começamos trabalhar às 6 da manhã e paramos à meia noite. Portanto, na outra eleição, vamos aumentar o número de salas de votação e pedir para mais pessoas ajudar. O CMDCA não tem autonomia para designar que as pessoas trabalhem, mas teremos que ter 30 pessoas, funcionários públicos, trabalhando na eleição”, explicou Márcia.
Caso algum candidato desista de participar da eleição, terá que apresentar a comissão eleitoral uma declaração afirmando que desistiu do processo. E a declaração terá que estar registrada em Cartório.  Na eleição do dia 24 de novembro, o único local de  votação será na escola Benjamim de Pádua.  

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte