Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Bolsonaro diz que eventual punição a Eduardo por fala sobre AI-5 será perseguição política
Eduardo disse que AI-5 seria implantado se esquerda radicalizar com protestos
12:23   04 de Novembro, 2019
dfcae6b756becc167d9f72b04b33384b.jpg

TALITA FERNANDES
DA FOLHAPRESS

foto/ Antonio Cruz/Agência Brasil

<a data-cke-saved-href="https://www.midianews.com.br//storage/webdisco/2019/08/30/886x590/ca0bc3d9efaf5a43b8f6b4e4a3489334.jpg" href="https://www.midianews.com.br//storage/webdisco/2019/08/30/886x590/ca0bc3d9efaf5a43b8f6b4e4a3489334.jpg" rel="lightbox" data-title="O presidente Jair Bolsonaro (PSL)" "="" style="box-sizing: border-box; color: rgb(0, 0, 0); margin: 0px; padding: 0px; border: none; outline: 0px; font-family: &quot;Helvetica Neue&quot;, Helvetica, Arial, sans-serif; font-size: 14px;">

 presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou neste sábado (2) que uma eventual punição ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um deu seus filhos, será uma perseguição política. 

Eduardo, que é líder do PSL na Câmara, disse em entrevista esta semana que caso a esquerda se radicalize em protestos nas ruas, uma resposta poderia ser a edição de um novo AI-5, instrumento adotado durante a ditadura militar que resultou em forte repressão, com cassação de direitos políticos e fechamento do Congresso. 

"Punição, só se for perseguição política. Não acredito que isso aconteça, porque abre brecha para punir qualquer parlamentar por suas opiniões. O parlamentar tem que ter imunidade do artigo 56 para defender o que bem entender. Se lá na frente a população acha que ele não foi bem, não vote mais nele. Agora, ele fez uma comparação hipotética se o que está acontecendo no Chile viesse para o Brasil", disse.

A declaração foi feita em visita ao Lago Sul, onde o presidente foi pilotando uma moto comprada neste sábado. 
Bolsonaro disse ainda que, no lugar de seu filho, teria dito que o Brasil deveria mudar a legislação atual.

"Eu diria, nós deveríamos mudar a lei que trata do terrorismo, tramitando na Câmara... esses atos de incendiar de metrô, ônibus, prédio, tem que ser enquadrados como se terrorismo fosse", disse.

 

Questionado se vê risco de acontecer no Brasil uma escalada de protestos como os do Chile, disse que o governo precisa estar preparado.

"Você tem que estar sempre se preparando. Como chefe do Executivo, não posso estar em berço esplêndido e ser surpreendido por qualquer coisa. As manifestações são bem-vindas, mas não o padrão do Chile. Aí é o fim da picada. Dezenas de estações de metrô foram incendiadas simultaneamente, é uma ação orquestrada. E outra, mesmo que fosse um só, não pode fazer isso com o patrimônio público. Vai protestar na rua, do jeito que bem entender, sem prejudicar um terceiro", disse.

Após forte repercussão da classe política, Bolsonaro tornou-se alvo de representação no Conselho de Ética na Câmara por sua declaração sobre um novo AI-5.

Diante das primeiras críticas, ele manteve sua declaração. Na sequência, foi repreendido pelo pai e então pediu desculpas públicas.

Em entrevista ao programa do Ratinho, Eduardo disse que foi "um pouco infeliz" ao ter mencionado a possibilidade da edição de um novo AI-5 e ressaltou que deu munição aos partidos de oposição.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte