Jornal MT Norte
Publicidade
Alonso está "desintoxicado" e pronto para voltar à F1, diz empresário Briatore
Bicampeão mundial negocia com a Renault, que perderá Daniel Ricciardo para a McLaren em 2021; foi justamente pela equipe francesa que espanhol conquistou seus dois títulos
14:05   18 de Maio, 2020
0204a19c9676cb7f3232099a6602f561.jpg
Foto: Getty Images

Por GloboEsporte.com — Rio de Janeiro

"Fernando está motivado. Um ano fora da Fórmula 1 fez bem a ele. Ele se desintoxicou e eu o vejo mais sereno e pronto para voltar."

Com esta frase, o polêmico empresário Flavio Briatore, que cuida da carreira de Fernando Alonso, deixou claro que a possibilidade de o bicampeão mundial retornar para a categoria é cada vez maior. Uma interessante vaga para 2021 se abriu na Renault com a transferência de Daniel Ricciardo para a McLaren, e não é segredo que Alonso negocia com a equipe pela qual ganhou seus títulos.

Briatore deu sua opinião sobre o movimento que desencadeou as mudanças no mercado: a saída de Sebastian Vettel da Ferrari. A equipe italiana não renovou com o alemão e contratou Carlos Sainz. Com a saída do espanhol, a McLaren foi atrás de Daniel Ricciardo, que deixará a Renault com uma vaga que pode ficar com Alonso:

- Sainz é um bom piloto e teve um bom campeonato em 2019 se considerarmos o carro que ele tinha. A situação parece clara: a Ferrari aposta tudo em (Charles) Leclerc, e é bom porque, como tive a chance de dizer no ano passado, ele é uma futura estrela. Semelhanças com Alonso e Schumacher? Você pode ver os bons pilotos imediatamente. Lembro-me bem dos números de Michael, mesmo ainda muito jovem, com a Benetton. Houve também os contatos de Giancarlo Minardi para me contar sobre o jovem Alonso. Você entende imediatamente se alguém é especial, e Charles é. Com quatro títulos mundiais, Vettel é um dos mais bem sucedidos de todos os tempos.

Se confirmada, será a terceira passagem de Fernando Alonso pela Renault. Na primeira, ele chegou em 2002 como piloto de testes, e foi efetivado a titular em 2003, quando já fez pole e venceu pela primeira vez. Em 2005 e 2006, com um conjunto bastante competitivo, o espanhol conquistou o bicampeonato mundial, antes de entrar no desafio de pilotar pela McLaren.

Após a conturbada temporada como companheiro do estreante Lewis Hamilton na equipe inglesa, Alonso voltou para "a sua casa". Num ano que começou difícil, a Renault melhorou o carro ao longo da temporada, e o espanhol venceu duas corridas, em Singapura e no Japão. Na primeira, beneficiou-se de uma armação de Briatore, que coagiu Nelsinho Piquet a bater de propósito para causar uma entrada do safety car, e, desta forma, favorecer a estratégia montada para Alonso.

Fernando Alonso fez sua última corrida de Fórmula 1 em 2018, em Abu Dhabi, pela McLaren. De lá para cá, o espanhol se dedicou ao projeto pessoal de completar a Tríplice Coroa, ou seja, vencer o GP de Mônaco de F1 (ganhou em 2006 e 2007), as 24 Horas de Le Mans (venceu em 2018 e 2019) e as 500 Milhas de Indianápolis, que Alonso disputou em 2017 e falhou em se classificar para o grid em 2019.

Fora da F1, Alonso conquistou ainda o título do Mundial de Endurance (WEC) pela Toyota na temporada 2018/19 e participou do Rali Dakar deste ano, terminando em 13º lugar, com um segundo lugar numa das especiais também com um carro da montadora japonesa.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte