Jornal MT Norte
Publicidade
Que mundo é este?
Em 2020 em Mato Grosso, mais de 1.043 crianças e adolescentes sofreram algum tipo de agressão física, psicológica, sexual e de abandono
13:03   22 de Maio, 2020
33a103b8526925b331d6d38f709b67dd.jpg

José Vieira do Nascimento 

18 de maio é o dia de conscientização contra o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Muita gente acha que isto não lhe diz respeito e talvez, você seja uma destas pessoas. Porém, como cidadãos que temos compromissos com a sociedade, devemos nos preocuparmos com nossas crianças para sonharmos com um futuro melhor para nosso país. Não podemos simplesmente ignorar e fechar os olhos para as alarmantes estatísticas, envolvendo casos de abuso sexual e violência contra crianças e adolescentes.
Não existe futuro sem as crianças. No entanto, infelizmente, no Brasil temos a impressão que as autoridades e a própria sociedade não estão preocupadas com este grave problema social.  Estamos vivendo em um mundo em que muitas crianças passaram a ser presas e alvos de maníacos, pedófobos, de violência físicas e psicológica, muitas vezes praticadas por pessoas ligadas a própria família no âmbito familiar.
 Não podemos nos abnegar diante desta mórbida situação! Em Mato Grosso, conforme dados do governo estadual [CREAS de Mato Grosso], nos primeiros quatro meses deste ano foram registrados 1.043 casos de crianças e adolescentes que sofreram algum tipo de agressão física, psicológica, sexual e de abandono.
Dados da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania, revelam que neste período, foram feitos 384 atendimentos à vítimas de violência física e psicológica, 372 casos de abuso sexual, 246 por negligência e abandono, 22 casos de exploração sexual e 19 denúncias de trabalho infantil. 
As unidades do Cras atenderam 800 crianças e adolescentes, sendo 555 por casos de abuso sexual, 135 de trabalho infantil e 122 por sofrerem exploração sexual. Em todo o Estado de Mato Grosso, de janeiro a maio de 2020, mais de mil crianças e adolescentes, de 0 a 18 anos, foram vítimas de lesão corporal.
No Brasil, conforme informações do Ministério da Saúde, a cada hora, mais de três crianças são vítimas de abuso sexual. Os números crescem a cada ano e somam um total de 177, 3 mil notificações em todo o país. Isto é muito triste!

Eu me consterno diante desta triste realidade. Avalio que sociedade não pode se calar diante do pedido de socorro de nossas crianças. E a reflexão, não apenas no dia 18 de maio, mas durante todo o ano, é o que cada cidadão pode fazer para proteger as crianças, pelos menos na cidade em que vivemos? É um dilema complexo, mas não podemos simplesmente prescindir e cruzar os braços. Cabe a cada de nós refletir sobre este tema. 

A verdade é que nos sentimos impotentes diante deste mundo que parece estar acometido de uma morbidade crônica. É assustador a evolução da pedofilia, que se dissemina nos meandros de todas as classes socais, tendo crianças e adolescentes como vítimas. 
Por outro lado, também as mulheres, passaram a fazer parte de uma estatística que, lamentavelmente, cresce a cada dia, que é o crime de feminicídio. Na história contemporânea, não houve registro de tantos casos de assassinatos de mulheres, praticados pelos seus próprios companheiros, como nos últimos 10 anos. 
Conforme dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado, a cada 4 dias uma mulher foi assassinada em Mato Grosso neste ano de 2020. De janeiro até agora, 32 mulheres foram vítimas de homicídios. E 22 destes casos, a polícia classifica como feminicídio. 
Como pai de duas meninas, observo com temeridade essa violência, cada vez mais crescente, que muitos homens doentes, criminosos cruéis, cometem contra as mulheres, que eles dizem que amam. Que mundo é este!?

José Vieira do Nascimento, editor de Mato Grosso do Norte. E-mail: mtnorte@terra.com.br


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte