Jornal MT Norte
Publicidade
Aventura com elegância
Mercedes-Benz GLC renovada se dá bem tanto na terra quanto no asfalto
13:08   25 de Maio, 2020
81124a2f78d8632898d02085f71c0ce2.jpg
Foto: DIVULGAÇÃO

por Carlo Valente

Infomotori.com/Itália

Na rotina clássica dos fabricantes, quatro anos após a estreia no mercado, o Mercedes GLC foi renovado. No caso das marcas de luxo, como é o caso, a renovação de meia-vida tem a função de atualizar eletronicamente os modelos, uma vez que tecnologia é um dos principais valores para estes fabricantes. O veículo utilitário esportivo alemão, também oferecido na versão cupê, já foi vendido em mais de 400 mil cópias, ou cerca de a cerca de 35% de tudo que vendido pela linha G, como são designados os SUVs da marca. O novo Mercedes GLC é, portanto, o protagonista de um face-lift que apenas refinou um pouco o carro: a grade agora tem linhas mais definidas e marcadas, como o para-choque. Os faróis full led passam a ser padrão e ganharam um design mais fino e esportivo.

O interior também muda, principalmente em relação aos recursos tecnológicos. Não foi desta vez, no entanto, que o GLC adota a grande tela típica do sistema MBUX, ou Mercedes-Benz User Experiente, composto por duas telas de 10,25 polegadas acopladas lado a lado e que dá um ar espacial do carro ‑  o que só será introduzido na nova geração do SUV, que deve chegar, a princípio, em 2022. Nesta atualização, o modelo ganha o sistema MBUX, mas com instrumentação digital tradicional e sistema de infoentretenimento com tela sensível ao toque, no Brasil sempre de 10,25 polegadas – na Europa, a tela de série tem 7 polegadas. Os sistemas de assistência ao motorista do Intelligent Drive, incluídos em um pacote especial, são ampliados em número e em suas funções. Casos do novo sistema de ajuste de distância, do freio ativo que atua com o assistente de tráfego cruzado e um novo sistema de assistência para manobras com o reboque, uma operação que nem sempre é simples.

Como item de série, há o sistema Agility Control, que permite configurar as reações do modelo, que atua em conjunto com o Dynamic Body Control, sistema de controle da estrutura mecânica da suspensão e do amortecimento, ou com o Air Body Control, no caso da suspensão pneumática. O GLC traz sete modos de condução diferentes. De modo geral, o SUV alemão é feito para a estrada, mas, se necessário, ele sabe como se comportar nas rotas em estradas de terra e pedregosas ou mesmo fora de estrada. A vocação off-road do GLC é destacada apenas quando necessário: é capaz de enfrentar solavancos, declives laterais e obstáculos com estabilidade impressionante.

Para oferecer essa versatilidade, há recursos opcionais como controle de descida, distância para o solo aumentada, no caso da suspensão mecânica, e função de luz personalizada. No Brasil, o GLC está disponível com duas versões de acabamento com a motorização diesel 220d, de 194 cv, Off-road e Enduro, e duas a gasolina, a AMG 43 de 390 cv e AMG 63 487 cv. Todas com sistema de tração integral 4Matic. Os preços vão dos R$ 345.900 do GLC na versão 220d Off-road, passa pelos R$ 392.900 da 220d Enduro, pelos R$ 479.900 da AMG 43 e chegam aos R$ 549.900 da AMG 63 – sendo que apenas as duas versões AMG trazem a suspensão a ar.

No teste de apresentação do novo GLC, o SUV enfrentou tanto trechos fora de estrada quanto em um caminho montanhoso. Não se tratou de um trajeto longo, mas foi possível avaliar algumas das notáveis habilidades off-road do GLC, que esconde sob uma roupa muito elegante capacidades bem impressionantes. No asfalto, o modelo traz o conforto típico da Mercedes, com a vantagem de oferecer uma posição de domínio sobre a estrada, graças à boa distância para o solo. O utilitário tem direção rápida, precisa e muito fácil de manusear. E ainda conta com quatro modos de condução, sendo uma delas com configuração individualizada, o que gera, ao final, um sem número de combinações entre motor, câmbio, suspensão, direção e freios em três níveis.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte