Jornal MT Norte
Publicidade
É inaceitável a prorrogação de mandatos
Não podemos aceitar que prevaleça mais esta tentativa de insídia contra a nossa democracia
10:06   05 de Junho, 2020
2eaa1de01e9ed6e4544ed65009af276a.jpg

 

José Vieira do Nascimento

O movimento encabeçado por entidades ligadas aos atuais prefeitos e vereadores [AMM-Associação Mato grossense dos Municípios] e CNM [Confederação Nacional dos Municípios] pelo adiamento e unificação das eleições para 2022, é a defesa escrachada de interesses pessoais e corporativistas.
Não são verdadeiros e nem convincentes os argumentos usados por atuais prefeitos e vereadores, que o calendário eleitoral deve ser mudado em função da crise econômica causada pela pandemia do coronavírus, a saúde da população e as dificuldades financeiras das prefeituras.  O que querem mesmo é ganhar no grito, mais dois anos de mandato, sem passar pelo crivo da população e continuar usufruindo das benesses do poder.
Cabe um questionamento no objetivo da PEC- Proposta de Emenda a Constituição- apresentada pelo senador de Mato Grosso, Wellington Fagundes (PL), propondo o cancelamento da eleição, coincidência de mandatos eletivos e eleições gerais em 2022. O que ele pretende em querer atropelar o legítimo e democrático processo eleitoral?
Quem acompanha mesmo que superficialmente a carreira política deste senador e os gastos astronômicos de suas campanhas eleitorais, percebe que a nupérrima preocupação com os custos das eleições municipais, não combina com o seu perfil político. 

Não custa lembrar que Fagundes foi citado pelo ex-governador Silval Barbosa em sua delação premiada, e posteriormente, investigado na operação Ararath por suposto recebimento de propina. 

Já outro defensor do adiamento das eleições e prorrogação de mandatos, é o presidente da AMM, Neurilan Fraga, que ocupa o cargo sem legitimidade, pois nem prefeito é. Ele mudou o estatuto da entidade, abrindo precedentes para permanecer no cargo, após o término de seu mandato.
Portanto, é habituado a fazer manobras amorais para suprir seus interesses escusos. Está à frente da AMM há vários anos, como se esta entidade fosse sua propriedade particular, usufruindo de um salário superior a R$ 18 mil reais. Dinheiro proveniente de repasses feitos pelas prefeituras. 
Está claro e evidente que agem para arbitrar seus interesses pessoais, contra as normas da ordem democrática de direito. Porém, a população não deve aceitar que movimentos usurpadores, interfiram na constitucionalidade que rege e norteia a legitimidade do processo eleitoral.  
Diante, da pandemia do coronavírus, a sociedade e os milhares de pessoas espalhadas pelo Brasil, entendem caso haja um adiamento na data da eleição da realização do pleito, para os meses subsequentes a outubro. Mas o cancelamento, transferindo e unificando as eleições em 2022, é impreterível. Não podemos aceitar que prevaleça mais esta tentativa de insídia contra a nossa democracia. 
Prefeitos e vereadores eleitos no pleito de 2016, receberam votos do eleitor para um mandato de 4 anos. E não para 6. 
A prorrogação de mandatos nada mais é do que um golpe. Uma atitude antidemocrática, fascista e contrária a vontade da população.
Por conseguinte, é inaceitável esta tentativa sórdida de unificar as eleições para 2022 e prorrogar mandatos de prefeitos e vereadores para 6 anos.    

José Vieira do Nascimento. Editor do Jornal Mato Grosso do Norte

 


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte