Jornal MT Norte
Publicidade
CARROS: Beleza como fundamento
Peugeot 208 aposta no design futurista para tentar voltar a crescer no Brasil
10:09   14 de Setembro, 2020
09d0361e6404762abe362bb30e233ac6.jpg

por Eduardo Rocha

Auto Press

A Peugeot alimenta uma grande esperança em relação ao novo 208, que passou a produzir na Argentina. A torcida da fabricante é que o novo hatch compacto dê uma espécie de “reboot” na marca no Brasil e repita o desempenho do 206, o bem-sucedido ancestral da chamada série 2 da marca produzido no Brasil entre 2001 e 2009. A base para a aposta é a mesma: o visual especialmente atraente do hatch compacto, inclusive do interior, que traz a segunda geração do painel i-cockpit, com efeito 3D. Em relação ao 208 que sai de linha agora, o novo 208 traz a nova plataforma modular CMP, ficou um pouco maior, mas manteve o velho motor EC5, um 1.6 16V flex, com 115/118 cv e 15,4/15/7 kgfm. Ele sempre é gerenciado pelo mesmo câmbio automático de seis marchas, que equipava as versões superiores do 208 que saiu de cena.

Atualmente, o poder de escolha do consumidor em relação ao novo 208 se resume ao conteúdo do modelo. O modelo chega com quatro versões: Active, Active Pack, Allure e Griffe. A versão Active traz de série travas, direção e vidros elétricos, ar, direção, controle de cruzeiro com limitador de velocidade, airbags laterais, sistema multimídia com tela de 7 polegadas, luz diurna e rodas de liga leve aro 16. Esta versão tem preço de R$ 74.990 e passa a ser o modelo mais barato oferecido pela Peugeot no Brasil. A versão Active Pack adiciona teto panorâmico, ar-condicionado automático e câmera de ré e acrescenta RS 8 mil ao preço, que chega a R$ 82.990. Na versão Allure aparece o novo i-Cockpit 3D e ainda bancos em Alcântara, carregador de celular por indução, chave de proximidade para travas e ignição, rodas diamantadas e volante em couro. Ela custa R$ 89. 990.

A versão acima é a Griffe, que adiciona faróis full led, sensor de luz, chuva e obstáculos traseiro, alerta de colisão, frenagem automática de emergência, controle de faixa de rolagem com esterçamento do volante, câmera traseira com 180º, farol alto automático, detector de fadiga e sistema de reconhecimento de placas de velocidade. O preço vai a R$ 94.990. Nas versões oferecidas no Brasil, a Peugeot deixou de fora alguns itens de segurança e de assistência ao motorista oferecido no modelo francês, como controle de cruzeiro adaptativo com sistema stop and go, sensor para ponto cego, monitor de pressão dos pneus, airbag de cortina. Estes equipamentos podem aparecer, porém, na versão e-GT chamado na França de e-208 GT ‑, prometida para o para o início de 2021. Trata-se de uma versão totalmente elétrica, com um motor de 100 kW, o equivalente a 136 cv, com 26,5 kgfm e um booster de 4 kgfm adicionais.

Na Argentina, o 208 ainda é oferecido uma terceira motorização, a Pure Tech 1.2 Turbo a gasolina, com 130 cv e 23,5 kgfm. A Peugeot, por enquanto, desistiu de trazer a versão para o Brasil por conta do custo para adaptar o motor para o Brasil. A verdade é que o 208 passou por alguns percalços até ser lançado por aqui. O projeto inicial previa que o modelo chegasse em maio, o que foi adiado por conta da pandemia. Como se trata de um modelo com muitos recursos tecnológicos, o valor do dólar, que está descontrolado no Brasil, afeta diretamente o preço do modelo. Por isso, não será surpresa se, depois de passada a novidade, a marca decida lançar uma com o mesmo motor Pure Tech aspirado que equipava o antigo 208. Isso permitiria que a Peugeot pudesse oferecer uma versão de entrada mais barata, o que faria com que o novo 2008 ganhasse alguma competitividade no mercado.

 

 

Ficha técnica

Peugeot 208 Griffe 1.6 Flex

Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.598 cm³, quatro cilindros em linha, comando simples no cabeçote, quatro válvulas por cilindro e comando variável de válvulas na admissão. Injeção eletrônica multiponto sequencial e acelerador eletrônico.

Potência máxima: 118 cv a 5.800 rpm e 115 cv a 6 mil rpm com etanol e gasolina.

Torque máximo: 15,7 kgfm a 4.750 rpm e 15,4 kgfm a 4 mil rpm com etanol e gasolina.

Transmissão: Automática de seis velocidades a frente e uma a ré. Tração dianteira.

Aceleração 0-100 km/h: 12,0 e 12,6 segundos com etanol e gasolina.

Velocidade máxima: 190 km/h com etanol e gasolina.

Diâmetro e curso: 78,5 mm X 82 mm. Taxa de compressão: 12,5:1

Suspensão: Dianteira tipo pseudo-McPherson, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos pressurizados a gás e barra estabilizadora. Traseira com travessa deformável, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos pressurizados a gás e barra estabilizadora.

Pneus: 195/55 R16.

Freios: A disco na frente e tambor na traseira com ABS e EBD.

Carroceria: Hatch em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,06 metros de comprimento, 1,74 m de largura, 1,43 m de altura e 2,54 m de distância entre-eixos. Oferece airbags frontais e laterais de série.

Peso: 1.178 kg.

Capacidade do porta-malas265 litros.

Tanque de combustível: 47 litros.

ProduçãoEl Palomar, Argentina.

Lançamento mundial: 2019.

Lançamento no Brasil: 2020.

Preço da versão Griffe 1.6 flex: R$ 94.990.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte