Jornal MT Norte
Publicidade
Professora de escola de campo percorre 12 quilômetros para dar aulas pela internet
Erliete consegue atingir um grande número de alunos
10:10   16 de Outubro, 2020
aad9721b69c6db78208d3e08bff2207c.jpg

Adilson Rosa
Seduc MT

Todos os dias a professora de história Erliete Pissinini Porto percorre 12 quilômetros na garupa da motocicleta dos seu marido para chegar no Centro de Formação e Atualização dos Profissionais da Educação Básica (Cefapro) de Alta Floresta. Residindo em uma chácara sem acesso a internet, ela precisa ir até o Cefapro para dar aulas para os seus alunos da Escola Estadual de Campo Guimarães Rosa. Utilizando a plataforma Microsoft Teams ela consegue chegar a um grande número de alunos que seguem acompanhando as aulas remotas. Quem não tem acesso à internet estuda com material impresso.
O trajeto percorrido por Erliete chega a ser curto, se comparado ao período das aulas presenciais, quando precisava percorrer 40 km até a Comunidade de Santa Lúcia, onde fica a escola Guimarães Rosa. “Tenho que acordar cedo, tiro meu marido da rotina para que eu esteja no horário de atendimento aos meus alunos. As aulas do período matutino começam às 07h e eu já estou com o computador ligado aguardando os alunos. Quando tenho aula à tarde, só saio às 17h”, ressalta.
Nesse período, a professora mostra sua competência ao elaborar uma apostila, de acordo com as habilidades orientadas pela Seduc. Erliete ressalta que é preciso conscientizar os alunos para acessar as aulas online, pois muitos resistes em usar a tecnologia para os estudos.

Pandemia muda tudo- O ano letivo de 2020 teve muitos obstáculos a serem vencidos. Muitas atividades foram suspensas neste ano.

A olímpiada de história, por exemplo, a professora teve que excluir alguns alunos porque não possuem acesso à internet. No ano passado, essa questão não existia. “Doeu, doeu muito. A pandemia mudou tudo”, comenta.
Erliete lembra que a maioria dos seus alunos têm acesso à internet, mas usam a tecnologia para as redes sociais e principalmente para jogos. Por isso, é preciso criar uma cultura de estudo à distância usando a internet.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte