Jornal MT Norte
Publicidade
Carlinda é a única cidade da região que cumpre integralmente decreto do governo Estadual
Prefeita Carmen Martines optou por não flexibilizar o decreto do governador Mauro Mendes, com as brechas existentes no decreto do governo federal
17:04   05 de Abril, 2021
2003ded1b696f7e98dd5c4ce0253579b.jpg

José Vieira do Nascimento
Mato Grosso do Norte

A prefeita de Carlinda, Carmen Martines (DEM) decidiu seguir na integra o decreto do governo estadual, de fechar todas as atividades consideradas não essenciais. Ela não editou novo decreto municipal para liberar as empresas consideradas essenciais no decreto do governo federal. 
O município está classificado como alto risco de contágio de covid-19. E, desde a segunda-feira, 29, a cidade de Carlinda ficou praticamente fechada. Ficando aberto apenas o que é, de acordo com o decreto estadual, atividades essenciais. 
“Fui notificada para cumprir o decreto do governo estadual. Talvez nem todos entenderam ainda a complexidade desta doença. Muitas vezes a gente pensa nas questões materiais e esquecemos que a nossa vida vale tudo, não tem dinheiro que compre”, disse a prefeita Carmen. 
Ela disse que caso não seguisse o decreto estadual seria penalizada com multa de R$ 50 mil, mais R$10 mil por dia e poderia sofrer condenação por improbidade administrativa. Porém, a prefeita ressalta que sempre procurou mostrar para a população que a saúde é o mais importante na vida de todos.
“Nunca fui a favor de fechar nada. Sempre defendi que todos tem que trabalhar para ganhar seu sustento, mas tem que ter saúde, que é o principal. A juíza me notificou não porque fui contra decreto federal, e sim porque fui contra o decreto do governador. E para amenizar esta situação, fizemos uma lei aprovada pela câmara, que iremos fazer feriados adiantados. E quando chegar nestes feriados, o comércio irá poder funcionar sem problemas”, esclarecer.
“É hora de nos unirmos. Tem que pensar no próximo e parar de reclamar. Você está vivo, tem família e não vai acabar com tudo em 10 dias. Se a pessoa acabar com tudo em 10 dias é porque não tinha muita coisa!”, enfatiza.

“Vamos lutar contra esta doença que é muito perigosa e mata muito ligeiro. Todas as UTIs estão lotadas. Muitas vidas estão indo embora e se não nos cuidarmos, poderemos ser os próximos a morrer”, reitera.

A prefeita também criou barreiras nas duas entradas da cidade de Carlinda para não entrar ninguém de outros municípios. Só entra com uma boa justificativa e a comissão que está na cidade vai verificar se a pessoa está fazendo o que disse na barreira. “Senão estiver, iremos mandar ir embora. Não é para vir ninguém de outras cidades para Carlinda. Nosso município está desse jeito, com alto índice de covid, porque muitas pessoas de fora vem para cá e acarretou este problema que estamos passando agora”, disse.
Carlinda não instituiu a lei seca. A venda de bebidas alcoólicas está liberada. Porém, não pode ingerir nos locais de venda, conforme o decreto do governo estadual. “Eu estou seguindo rigorosamente o decreto do governo estadual. Por isso, não institui a lei seca. Se lá falasse que podia beber no local, eu iria liberar”, pontua.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte