Jornal MT Norte
Publicidade
Pecuarista pode perder até R$ 366,00 por cabeça durante a estação seca
o teor de proteína da pastagem durante o período mais crítico do ano fica abaixo de 7%
09:08   12 de Maio, 2021
a320de5a78b19c3f3e3406118f669335.jpg

Assessoria

O calendário pecuário encontra-se no período de transição, no qual a chuva reduz gradualmente, assim como a pastagem começa a perder qualidade. O resultado esperado é uma drástica redução na produtividade dos bovinos de corte.

“De maio a outubro, os animais tendem a perder peso porque a quantidade de nutrientes da pastagem, principalmente os compostos nitrogenados, está abaixo da exigência de mantença dos micro-organismos ruminais, que são a principal fonte de proteína dos ruminantes”, explica o zootecnista Bruno Pietsch C. Mendonça.
Segundo informa o especialista, o teor de proteína da pastagem durante o período mais crítico do ano fica abaixo de 7%, muitas vezes caindo para níveis entre 3 e 4%.
“Como resultado, os animais a pasto chegam a perder de 150 a 200g por dia recebendo suplemento mineral. O peso pode cair ainda mais, se, além da queda da qualidade, também houver diminuição da quantidade de forragem disponível, algo comum de acontecer no Brasil Central”, relata o zootecnista.
Isso significa que, em seis meses, o pecuarista pode ter um prejuízo estimado entre 0,9 e 1,2@ por cabeça, o que na cotação atual, para pagamento à vista na praça de São Paulo, em 4 de maio, representaria uma perda entre R$ 274,50 e R$ 366,00.
Por isso, é necessário atenção com a alimentação da rebanho. “Com o uso de um suplemento proteico ou proteico-energético. Ou seja, comparado a um bovino alimentado apenas com capim de baixo valor nutricional mais sal mineral, a produtividade potencial do seu congênere suplementado com proteico ou proteico-energético, poderia atingir entre 1,8 e 4,2@ ou R$ 518,50 a R$ 1.281,00 por cabeça, na conversão em moeda, nos seis meses de seca. Multiplicado por 100 cabeças, esse mesmo pecuarista deixaria de agregar um faturamento na faixa de R$ 51.850,00 a R$ 128.100,00.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte