Jornal MT Norte
Publicidade
Prefeitura de Alta Floresta incentiva a apicultura
08:59   31 de Maio, 2021
bb39e6700496d6c407af8250105cf38e.jpg

Assessoria
Prefeitura de Alta Floresta

Jataí, Mirim, Uruçu, Mandaçaia jandaíra e manduri. Estamos falando de algumas espécies de abelhas, mais propriamente de abelhas sem ferrão. A Prefeitura Municipal de Alta Floresta por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável está desenvolvendo o projeto do Meliponário Municipal, uma iniciativa dedicada à produção de mel com abelhas meliponas e ou popularmente abelhas sem ferrão nativas do Brasil, um setor que tem se desenvolvido e subsidiado produtores da agricultura familiar.
 Hoje o Meliponário Municipal de Alta Floresta, segundo a Secretária Gercilene Meira e o diretor de Desenvolvimento Sustentável da Secretaria José Alesandro Rodrigues, tem a capacidade para 300 colmeias (casa das abelhas) e realiza um trabalho que visa a multiplicação nas comunidades, entre os produtores rurais, das colmeias dessas abelhas cujo mel vem ganhando espaço no município, tanto pelo seu agradável paladar como pelas características medicinais, sem contar a renda extra que o setor agrega ao produtor e até mesmo o enriquecimento dos pomares frutíferos pela polinização patrocinado por elas quando colhem o néctar nas flores para a produção do mel.
Atualmente a Secretaria de Meio Ambiente oferece curso para aqueles que queiram iniciar com o trabalho de criação e multiplicação de colmeias melíponas. Os interessados devem procurar a Secretaria, fazer a inscrição, passar por uma capacitação e então recebem entre quatro ou cinco caixas e a partir de então poder multiplicar a sua criação ou seja formar novas colmeias. Em Alta Floresta trabalha-se com a espécie Uruçu Boca de Renda.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte