Jornal MT Norte
Publicidade
AGRONEGÓCIO: Ambientes de produção ameniza estresse hídrico
A construção do sistema solo é fundamental para que as plantas se desenvolvam e possam expressar seu potencial produtivo
08:06   07 de Junho, 2021
62663b1c7e14ca73e78e63aca1c110fa.jpg

Dorotéia Alves Ferreira

Os estresses ambientais são desafiadores, seja hídrico, por temperatura, compactação ou patógenos de solo, abrangendo os bióticos e abióticos do sistema de produção. A planta é o sensor ambiental mais importante na agricultura, e, neste sentido, situações que favoreçam o seu desenvolvimento e produtividade são primordiais.

 Os chamados veranicos são períodos em que o regime de chuvas é interrompido, e estes estão acontecendo de forma cada vez mais pronunciada nos últimos anos, trazendo perdas consideráveis aos cultivos, especialmente aqueles de segunda safra ou safrinha, embora em várias regiões os períodos de déficit hídrico também estão sendo observados em períodos de safra.

 As mudanças climáticas demonstram a importância de construção de ambientes que podem ser alterados em função da inserção de manejos nos sistemas produtivos, e que, consequentemente, favorecem o menor impacto do ambiente sobre as plantas cultivadas. A construção do sistema solo é fundamental para que as plantas se desenvolvam e possam expressar seu potencial produtivo. Para isto é fundamental ter um ambiente com cobertura de solo, aeração do solo e porosidade, para que a água da chuva consiga infiltrar e ser armazenada na subsuperfície do solo.

 O desenvolvimento do sistema radicular é imprescindível para que a planta explore uma maior área de solo e possa absorver água em volume e profundidade pelas raízes, aumenta a absorção de nutrientes, inclusive aqueles que apresentam baixa mobilidade no solo, e melhora a conexão com a microbiologia do solo.

Raízes profundas e com maior volume juntamente com atividade biológica favorecem a estruturação do solo, resultando em benefícios variados ao sistema solo. A planta consegue utilizar melhor os recursos de nutrição inseridos no solo, além de favorecer a transformação de nutrientes da forma orgânica para inorgânica pela atividade microbiológica do solo.

 Posteriormente, estas raízes permanecem no sistema solo, pois são decompostas, incorporam carbono e formam canais no solo facilitando a infiltração de água e melhorando a aeração do solo.

Sendo assim, a planta mesmo em situação de estresse hídrico ou por escassez de água em algum estágio de seu desenvolvimento, consegue obter os recursos e permanecer em pleno desenvolvimento, resultando em menor comprometimento ao final de seu ciclo e consequente produção da cultura. (Dorotéia Alves Ferreira, Engenheira Agrônoma, Doutora em Solos e Nutrição de Plantas)

 

 


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte