Jornal MT Norte
Publicidade
PERFIL: Fama de mau
No ar como o calculista Malagueta, Marcelo Serrado relembra sucesso de quarteto de ladrões em Pega-Pega
12:37   30 de Julho, 2021
de5e79316888082b29220a2d7bfd2e11.jpg

por Caroline Borges

TV Press

                Obras abertas são preenchidas por inúmeras surpresas ao longo da exibição. Marcelo Serrado que o diga. Ao receber o convite para viver o malandro Malagueta, de “Pega-Pega”, o ator de 54 anos sabia que encarnaria um tipo de caráter duvidoso e pouco popular. No entanto, no decorrer dos capítulos, Serrado viu o grande arquiteto do roubo ao fictício hotel Carioca Palace cair no gosto do público, mesmo com tantas atitudes amorais no currículo. “Essa torcida por vilões é uma coisa bem maluca. Apesar de Claudia (Souto. autora) e Luiz (Henrique Rios, diretor) serem mestres, terem levado com leveza e com humor esses personagens, fizeram com que o público se encantasse com esses quatro. As pessoas adoravam aqueles violões. Acho que todo esse tom de humor e leveza fez com que os personagens fossem aceitos mais facilmente”, explica Serrado, que voltou ao ar na edição especial da novela das sete em virtude das medidas de restrição da pandemia.

                Concierge do hotel e morador de um conjugado em Copacabana, Malagueta, na verdade, se chama Vítor. O apelido lhe foi dado por ser ardiloso, articulador e matemático. Ambicioso, ele é o mentor do roubo do hotel e o responsável por aliciar os colegas. Malagueta busca a aceitação do pai, Timóteo, papel de Cacá Amaral, líder de uma quadrilha que assaltava caixas eletrônicos e que está preso. “É uma história que fala muito de ética e moral. É um assunto que não deixou de ser atual e conversa bastante com as temáticas de hoje em dia. O Malagueta foi um papel muito importante para mim. Foi um personagem muito divertido de fazer, criar e sustentar ao longo dos capítulos”, afirma o ator, que chamou a atenção pela gargalhada do personagem durante a exibição original. “A primeira vez que fiz a gargalhada foi em cena com o João Baldasserini. Ele meio que duvidou que eu iria fazer isso (risos). Primeiro eu fiz pequeno, mas, quando eu vi que o pessoal do estúdio gostou, resolvi aumentar, colocar mais impacto. Não fiz na frente do Luiz (Henrique Rios, diretor) porque não sabia o que ele acharia disso, né?”, completa.

                Enquanto acompanha a reprise da novela, Serrado não consegue esconder a sensação de nostalgia e saudades do período de gravação. Ao longo dos capítulos, ele contracenou com nomes, como Elizabeth Savalla, Irene Ravache, Marcos Caruso, Cristina Pereira e a saudosa Nicette Bruno. “Foi um prazer estar em cena com tanta gente incrível. Eu queria muito ser do núcleo do Thiago (Martins), Cristina Pereira e Nicette (Bruno). Quando eu tinha cena com elas, ficava extasiado. Essa novela vai ser uma chance de rever mais um trabalho da Nicette. Ela era trazia um brilho único para o elenco. Perdemos um grande nome da nossa televisão”, ressalta.

                De folga das novelas desde o fim de “O Sétimo Guardião”, Serrado reencontrará a autora Claudia Souto em breve. Ele está escalado para “Cara & Coragem”, nova novela inédita das sete, que tem estreia prevista para o ano que vem. Na produção, ele viverá um dublê de cenas de ação. “É sempre um prazer trabalhar com essa equipe. Fico muito grato com toda a confiança que a Claudia deposita em mim. Logo nós vamos nos reencontrar novamente para uma nova novela. Estou ansioso para encarar um projeto novo em breve”, torce.

 

“Pega-Pega” – de segunda a sábado, às 19h30, na Globo.

Malemolência em cena

                Durante as gravações de “Pega-Pega”, Marcelo Serrado tinha um compromisso com o roteiro e o cronograma de cenas da novela das sete. Porém, esse não era o único trabalho do ator. Nos bastidores, Serrado também precisou entrar no clima das dancinhas encabeçadas por Nanda Costa, João Baldasserini e Thiago Martins. “Eles faziam uma ‘loucodance’ todas as sextas. Foi muito difícil acompanhar os passos deles. Eu ficava constrangido fazendo as dancinhas. Eles eram muito bons, iam até o chão e colocavam um cone na cabeça”, afirma o ator, que integrou o elenco da “Dança dos Famosos”, do “Domingão do Faustão”, no ano passado.

                O bom clima dos bastidores passou a refletir diante das câmeras. Para Serrado, o grupo tinha um grande entrosamento em cena, que fez a diferença no sucesso do folhetim cômico. “Era nítido que isso transbordava no vídeo. Tinha toda essa leveza e graça dos bastidores. Foi bom para suavizar aquela trama do roubo porque eles fizeram algo muito sério, né? O Malagueta era calculista, ficava ao lado do Eric, dono do hotel, sendo ele o grande assaltante do Carioca Palace”, aponta.

Instantâneas

# Serrado estará no elenco da terceira temporada de “A Divisão”, original Globoplay.

# Durante a pandemia, o ator também revisitou seu trabalho em “Fina Estampa”, em que interpretou o mordomo Crô.

# Marcelo Serrado se formou na Casa das Artes de Laranjeiras (CAL).

# Para viver Malagueta, Serrado fez aulas de dardos antes do início das gravações.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte