Jornal MT Norte
Publicidade
TESTE: Carga de trabalho
Fiat Toro Endurance turbodiesel mantém o foco na praticidade e no custo/benefício
09:11   05 de Novembro, 2021
6f7b6a7a093bbae7938a833aed5f990a.jpg

 

               Eduardo Rocha/ Auto Press

Mesmo com a chegada da motorização T270 flex na gama, as versões turbodiesel da Fiat Toro ainda respondem por mais da metade das vendas. É bem verdade que a diferença nunca esteve tão apertada. Antes da renovação do modelo, em final de abril, a proporção era de 55/45 a favor da turbodiesel. Agora está em 51/49. É bem verdade que as versões com o motor flex não contam com as configurações mais recheadas, como Ultra ou Ranch. Em compensação, as versões turbodiesel partem de um patamar de preços bem mais elevado, com uma diferença de R$ 33 mil para a mesma versão de conteúdo e acabamento – não só por conta do motor Multijet II 2.0, com 170 cv e 35,7 kgfm, acoplado a um câmbio automático de nove marchas, mas também pela presença do sistema de tração 4X4.

Longe do glamour das configurações mais recheadas, a versão Endurance turbodiesel une a dinâmica e robustez que exaltam o lado trabalhador do modelo. Nem por isso tem um preço popular. Ela sai por iniciais R$ 163.990. No caso da versão, o valor chega a R$ 169.515 por conta de opções como a cor branca (R$ 1.500), capota marítima (R$ 1 mil) e rodas de liga leve (R$ 3.025). Em relação aos equipamentos, a Endurance traz exatamente a mesma lista em qualquer motorização – além da turbodiesel e da T270 flex, há o antigo motor EtorQ 1.8 16V, com potência de 135 a139 cv e torque de 18,8 a 19,3 kgfm, ainda é oferecido com câmbio manual.

                De série, a versão traz painel totalmente digital em uma tela configurável de 7 polegadas. A central multimídia também tem tela de 7 polegadas e é capaz de conectar com os aplicativos Apple CarPlay e Android Auto sem cabo. Traz ainda direção, travas, vidros e retrovisores elétricos, alarma, assinatura luminosa, luz diurna e lanterna em led, controle de cruzeiro, volante multifuncional, ar-condicionado, sensor de estacionamento traseiro com representação gráfica no painel sensor de pressão dos pneus.

                No visual externo, a Toro ganhou um novo capô, com uma protuberância longitudinal na parte central e a linha frontal reta com um friso cromado. A antiga logomarca redonda dá lugar a um logotipo cromado no centro da grade preta, assim como moldura de proteção na base do para-choque. No canto esquerdo da grade, há a chamada Fiat Flag, a logomarca em verde, branco e vermelho da fabricante italiana. De série, as rodas são de aço com aro 16 e cobertas por uma calota na cor prata, mas a versão testada recebeu rodas de liga leve opcionais, também aro 16. As molduras das janelas e maçanetas das portas também são em preto e na parte traseira do teto há um pequeno rack, ou porta-escada, também em preto.

 

Ponto a ponto

Desempenho –O Multijet II 2.0 da Toro tem elasticidade e um torque robusto, mas tem funcionamento suave e libera a força de forma bem progressiva. Os 170 cv e os 35,7 kgfm movimentam bem a picape. O câmbio de nove marchas consegue extrair o potencial do motor e suas quatro sobremarchas fornecem boa economia de combustível, principalmente na estrada. Apesar de já ter sido lançado em 2008 na Itália, não sente o peso da idade e ainda está entre as melhores do mercado, tanto pelo vigor quanto pela suavidade de trabalho. Nota 9.

Estabilidade – A suspensão da controla bem os 1.833 kg da Toro, com uma configuração típica de SUVs médios: McPherson com braços inferiores oscilantes na dianteira e multilink atrás, ambos com barra estabilizadora. Na terra, o chassi copia os desníveis do terreno de forma adequada e consegue manter um bom contato dos pneus com o solo. Ao mesmo tempo, em velocidades mais altas no asfalto dá um comportamento neutro à picape. Os pneus 215/65 R16, com flanco de 14 cm, ajuda na atenuar das irregularidades. Nota 8.

Interatividade – O modelo traz uma central multimídia com tela de 7 polegadas, que pode ser considerada modesta nos padrões atuais. A vantagem é que o sistema dispensa cabos para espelhar o celular e é extremamente amigável. O volante multifuncional é bem completo e oferece comandos na frente e atrás para som, telefonia, controle de cruzeiro e facilita a navegação pelos dados fornecidos no painel digital configurável, também de 7 polegadas. O ar-condicionado é analógico e a picape traz apenas sensor de obstáculos traseiro ‑ câmera de ré apenas como acessório de concessionária. Nota 8.

Consumo – Segundo o InMetro, a Fiat Toro faz 10,4 km/l no ciclo urbano e 13,3 km/l no ciclo rodoviário, o que rendeu nota A no segmento e D no geral. Nota 7.

Conforto – Apesar da suavidade do novo motor e de não haver ruídos aerodinâmicos em velocidades altas, o isolamento acústico da Toro não é muito caprichado na versão Endurance. Já a posição de dirigir é ajudada pelas regulagens de altura e profundidade de bancos e volante. O espaço interno é bem generoso, mesmo para os passageiros sentados atrás, e a suspensão oferece um comportamento próximo ao de carros de passeio. Nota 9.

Tecnologia – A Toro Endurance é pensada para uma rotina de trabalho, então traz um conteúdo bastante pragmático. Traz os itens de segurança obrigatória, como airbags, ABS e controle de estabilidade e tração, além de uns poucos recursos adicionais, com espelhamento sem fio para smartphones, monitor de pressão dos pneus e tração 4X4 com reduzida. Falta uma singela câmera de ré. Nota 7.

Habitabilidade – A Toro tem diversos nichos da cabine para acomodar objetos. O acesso ao interior é facilitado por alças nas colunas dianteiras, inclusive para o motorista – o que evita usar o volante como apoio. A área de carga, com a tampa dividida, é prática para o transporte de objetos mais compridos que largos. Nota 8.

Acabamento – A versão Endurance não tem qualquer pretensão de luxo, mas traz forração com tecido de toque agradável nos bancos e painéis de porta. A montagem é bem cuidada e os plásticos do acabamento não transmitem a sensação de pobreza, mas parecem robustos. Nota 7.

Design – A Toro recebeu mudanças muito sutis, que não alteraram o aspecto simpático e equilibrado que sempre teve. Foi apenas uma forma de a Fiat registrar a chegada no novo motor T270 e atualizar o logotipo e a flag. A versão Endurance é marcada por detalhes mais despojados, como molduras das janelas em preto e rodas em aço – ausentes na unidade testada. Nota 8.

Custo/benefício – A Toro Endurance turbodiesel não tem rivais diretos. Ela custa a partir de R$164 mil, o que a deixa cerca 20% mais barata que as versões de entrada das picapes médias, com a vantagem de ter uma cerca habilidade de transitar na cidade e ter capacidade para enfrentar estradas ruins e em condições severas. No fim das contas, tem uma boa relação custo/benefício. Nota 8.

Total – A Fiat Toro Endurance turbodiesel 4X4 somou 79 pontos em 100 possíveis.

 

Impressões ao dirigir

Na cadência do diesel

                O motor Multijet II 2.0 turbodiesel é agradável no manejo e mostra força para enfrentar trechos difíceis e também o trabalho. Por outro lado, não oferece esportividade. A título de comparação, o Jeep Renegade usa o mesmo trem-de-força, mas tem 500 kg a menos. Os 170 cv e 35,7 kgfm de torque podem não ser suficientes para fazer a Toro subir uma parede, mas tem vigor suficiente para oferecer ganhos de velocidade consistentes, gerenciado pelo câmbio de nove marchas, que é muito escalonado e tem quatro sobremarchas – de 6ª à 9ª. A média apontada pelo InMetro, de 10,4 km/l na cidade e 13,3 km/l na estrada, é obtida sem maiores malabarismos.

                A boa dinâmica do modelo é ajudada ainda pelas suspensões bem calibradas, uma estrutura em monobloco com boa rigidez e pneus capazes de ajudar na maciez de rodagem, apesar de reduzir a comunicação entre rodas e volante. A boa vida a bordo é ampliada pelo bom isolamento acústico e pelo refinado ajuste da suspensão, com McPherson na frente e multilink atrás. A Toro filtra bem as irregularidades e cria um ambiente muito confortável.

                A versão Endurance traz um conteúdo limitado ao imprescindível para um modelo dessa categoria e preço, com itens essenciais nos padrões atuais. Direção elétrica, ar-condicionado, trio, central multimídia, etc (mais uma vez: a câmera de ré para um modelo como esse não é um luxo). O espaço interno é semelhante ao de um SUV médio. Por dentro, os bancos são revestidos com tecido resistente e discreto e contam com ajustes de altura, assim como o volante multifuncional. O interior é elegante e discreto, com poucos elementos com cromados e apenas a moldura da central multimídia e a guarnição do câmbio no famigerado preto brilhante.

 

Ficha técnica

Fiat Toro Endurance 2.0 AT9 4X4 turbodiesel

Motor: Diesel, dianteiro, transversal, 1.956 cm³, turbo, quatro cilindros em linha e quatro válvulas por cilindro. Injeção direta de combustível e acelerador eletrônico.

Transmissão: Câmbio automático de nove marchas à frente e uma a ré. Tração 4X4. Oferece controle de tração.

Potência: 170 cv a 3.750 rpm.

Torque máximo: 35,7 kgfm a 1.750 giros.

Aceleração 0-100 km/h: 10 segundos.

Velocidade Máxima: 188 km/h em 8ª marcha.

Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, braços oscilantes inferiores com geometria triangular e barra estabilizadora, amortecedores hidráulicos e pressurizados e molas helicoidais. Traseira independente do tipo multilink, links transversais/laterais, barra estabilizadora, amortecedores de duplo efeito e molas progressivas. Oferece controle eletrônico de estabilidade de série.

Pneus: 215/65 R16.

Freios: Discos ventilados na frente e tambor atrás. Oferece ABS com EBD e assistente de partida em rampa de série.

Carroceria: Picape em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. Comprimento de 4,95 metros com 1,85 m de largura, 1,74 m de altura e 2,99 m de entre-eixos. Ângulo de entrada de 24,8º, de saída de 27,7º, de rampa de 20,9º, com altura livre para o solo de 25 cm entre os eixos. Possui airbags frontais, laterais e de cabeça de série.

Peso: 1.833 kg.

Capacidade da caçamba: 850 litros.

Capacidade de carga: 1 mil kg.

Tanque de combustível: 60 litros.

Produção: Goiana, Pernambuco.

Lançamento no Brasil: 2016.

Face-lift: 2021.

Preço da versão: R$ 163.990.

Preço da unidade testada: R$ 169.515.

 


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte