Jornal MT Norte
Publicidade
Toque retal e o tabu que pode ser fatal
O diagnóstico e o tratamento precoces ajudam a diminuir os riscos do desenvolvimento da doença
14:39   24 de Novembro, 2021
6db0fe96ec561ae0c6db861ee374d9c9.jpg

Dr. Newton Tafuri 

O tabu e a desinformação são os grandes inimigos da prevenção do câncer de próstata, principalmente quando o assunto é o exame de toque retal. E é esse um desafio que precisamos vencer e um dos focos principais da campanha Novembro Azul, que este ano tem como tema “Saúde também é papo de homem”.

 A campanha de combate ao câncer de próstata tem o objetivo de informar a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce nas fases iniciais da doença. O auge da campanha é 17 de novembro, Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata.

 Antes é preciso entender o que é a próstata. A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino, pesa cerca de 20 gramas, e se assemelha a uma castanha. Fica localizada abaixo da bexiga. Sua principal função, juntamente com as vesículas seminais, é produzir uma parte do líquido espermático.

 É muito importante descobrir a doença nas fases iniciais. O diagnóstico e o tratamento precoces ajudam a diminuir os riscos do desenvolvimento da doença de uma forma mais agressiva. Tratada em suas fases iniciais a doença pode ser curada em aproximadamente 90% dos casos. Porém, é fato que muitos homens não fazem consultas anuais ou check-up de rotina.

 Existem dois tipos de exames mais comuns para detectar a doença: a dosagem de PSA, que é um exame de sangue que avalia a quantidade do antígeno prostático específico, uma proteína produzida pelo tecido da próstata e pelas células cancerosas.

 Além do PSA, é recomendado o toque retal, que é um exame clínico que detecta alterações na próstata, como a presença de nódulos, endurecimentos ou certas irregularidades. O procedimento dura apenas alguns segundos.

 O exame de toque, um dos mais eficazes na hora de detectar o tumor no paciente, ainda é um tabu. Seja por receio, vergonha ou por qualquer outro reflexo de uma cultura de preconceito na qual o exame é considerado uma agressão à masculinidade, o medo de realizá-lo é, na verdade, uma grande negligência para com a saúde do homem. E a falta de cuidado e o tabu podem levar à morte.

 Embora muitas vezes este exame seja alvo de piadas e constrangimentos desnecessários, é somente pela via retal que o médico pode fazer a avaliação física da próstata. Desse modo, é possível avaliar o formato, o tamanho e a textura da próstata, além de identificar a presença de nódulos que podem ser indicativos de um tumor maligno.

 Daí a importância de manter fazer exames anuais a partir dos 50 anos e quando há casos de câncer de próstata na família, a partir dos 45 , já que um dos fatores de risco dessa doença é a genética.

 Além do que, os sintomas do câncer de próstata geralmente só aparecem quando a doença está em estágio avançado e, por isso, com menores chances de cura.

 E tem um agravante! O homem muitas vezes não apresenta os sintomas, que são vontade de urinar frequentemente, sangue na urina, fluxo urinário fraco, dores no quadril, costas, coxas e ombros, disfunção erétil, entre outros.

 Lembre-se da importância de consultar anualmente o urologista e de realizar os exames periódicos e que não é preciso ter receio do exame de toque, pois ele não traz nenhum tipo de prejuízo à saúde ou à masculinidade do paciente. Pelo contrário: esse exame é necessário para que os homens possam viver mais e melhor.

 Mantenha uma alimentação saudável e realize exercícios físicos. Cuidar do corpo e da mente é essencial para manter sua qualidade de vida hoje e no futuro.

 

Dr. Newton Tafuri é urologista e presidente da Sociedade Brasileira de Urologia em Mato grosso (SBU/MT) - @drnewtontafuri


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte