Publicidade
         
      
         
World Show mobiliza iniciativas em prol da mineração do Estado
Peixoto é o que concentra o montante da produção, mas temos que diversificar a produção mineral no Estado
08:54   17 de Outubro, 2016

Eliana Bess 
Sedec-MT 

O Estado de Mato Grosso possui um grande potencial natural na área da mineração. Este cenário relevante foi apresentado aos representantes da Câmara de Comércio Brasil Canadá, durante o 2º Mato Grosso World Show, evento realizado na terça-feira, 11, no Palácio Paiaguás.  
Com o objetivo de estreitar as relações e promover o desenvolvimento do setor, foi assinado um Termo de Compromisso entre os envolvidos. De um lado, o Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Agência de Fomento do Estado (MT Fomento), a Companhia Matogrossense de Mineração (Metamat), e do outro, a Câmara de Comércio Brasil Canadá.
Dados foram apresentados sobre a balança comercial envolvendo o Brasil e Canadá e especificamente sobre Mato Grosso e Canadá. Entre eles, o ferro, que representa importante produto mineral exportado pelo Brasil. Já Mato Grosso, contribui com significativa quantidade do ouro que é enviado para o exterior. Também sobre o trabalho da Metamat, que realiza constantes estudos para garantir a segurança e diminuir os riscos para os empresários.
As informações foram repassadas pelo secretário adjunto de Indústria, Comércio e Mineração, Eduardo Mota, que na ocasião falou do ranking das maiores empresas mineradoras e da produção regionalizada que se encontra em Mato Grosso, ou seja, distribuída em municípios produtivos.
“Peixoto de Azevedo é o que concentra o montante da produção, mas temos que diversificar a produção mineral no Estado. Temos projeto de zinco em andamento, um jazido para 15 anos de exploração, o fosfato em Mirassol do Oeste, que ainda está em pequena escala, temos jazida de níquel. Essa mensagem deve ser levada aos canadenses, temos apresso por essas relações, os dados apontam caminhos para diversas áreas, com vistas a estabelecer negócios”, frisou Eduardo.
Paulo pontuou ainda, que frente ao papel, a Câmara se depara com a situação de que mesmo num mundo globalizado onde a informação é acessível, os segmentos em geral tem dificuldade em buscar parcerias, encontrar caminhos seguros e que a Câmara funciona como essa plataforma facilitadora do processo.Atualmente o Canadá é um dos principais investidores no Brasil, assim como o Brasil no Canadá. Mas, para ter uma ideia, tem itens que Mato Grosso vende para o mundo, o Canadá compra do mundo, mas não compra de Mato Grosso. 
Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ricardo Tomczyk, o debate será ampliado com vistas em um temo de cooperação técnica visando mapear o potencial do Estado. “Temos excelentes profissionais nesse sentido, vamos buscar melhores estruturas para executar esse trabalho.
O termo de cooperação é para projetos que agreguem valores sociais, os garimpos são itinerantes, então o que deixar para a comunidade depois da exploração”, exemplificou, ao defender que o Estado tem que se preocupar com a herança que vai deixar para a comunidade.
A Metamat, nesse sentido, já desenvolve o projeto Ouro Ético, com certificação internacional, junto ao Centro de Tecnologia Mineral (Cetem) e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Trata-se de um trabalho de comércio justo, nas pequenas comunidades, uma espécie de compensação pelo trabalho produzido.

 

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte