Jornal MT Norte eluiseguedes@hotmail.com

 

 

" />
Publicidade
         
      
         
A Hierarquia na Constelação Familiar
O desrespeito na hierarquia enfraquece a família
14:37   11 de Novembro, 2016

Eluise Dorileo

A Constelação Familiar que é uma técnica difundida em vários países criada pelo terapeuta alemão Bert Hellinger nos anos 70, segue três Leis sistêmicas: Hierarquia; Pertencimento e Equilibrio de Troca.
Mas o que é constelação familiar? É uma terapia que ajuda a identificar e resolver bloqueios familiares que de alguma forma estão obstruindo os campos de energia pessoal de um individuo.
E as Leis Sistêmicas exercem papel fundamental no equilíbrio e manutenção do sistema familiar. A primeira delas é a hierarquia que é quem são os que chegaram primeiro na família, os pais, os pais de seus pais, os pais dos pais dos seus pais e todo mundo que veio antes de você na linhagem de nascimento da família. Através deles veio você.
 Mas muitas vezes por eles estarem velhos ou em situação de fragilidade  tentamos assumir o lugar deles o que no sistema familiar traz consequências negativas para os próprios filhos, que pode ser financeira, afetiva ou mesmo doenças. O desrespeito na hierarquia enfraquece a família. É como se a família tivesse uma alma própria e se alguém não é reconhecido, todo o sistema sofre. Como no corpo humano se um órgão está doente todo o sistema sentirá.
Outro desequilíbrio no sistema familiar é quando há separação e um novo casamento. Com isso os novos companheiros, nova esposa ou esposo, entram para a família como segundos na ordem de chegada, mas muitos tentam mandar em tudo e modificar muita coisa, falar mal dos ex-companheiros, ignorando que a  primeira esposa ou esposo, gostemos ou não, sempre farão parte da história daquela família e daquele relacionamento afetivo. Eles devem ser respeitados, independentemente do que aconteceu anteriormente.Quando não aceitamos os pais do nosso cônjuge também estamos desrespeitando aqueles que chegaram primeiro do que nós na família. Dessa forma, não aceitamos uma parte do nosso cônjuge e isso acaba desequilibrando a relação.
 O mesmo acontece quando não aceitamos nossos pais como eles são. Eles chegaram primeiro e merecem ser respeitados. Quando queremos modifica-los, perdemos força na vida.
 Filhos que assumem o lugar dos pais na criação de outros irmãos, também, podem ter problemas por estarem ocupando um lugar que não é deles. Um irmão pode ajudar o outro, mas não assumi-lo como filho.
 Em empresas também há desequilíbrio quando um funcionário mais novo não respeita os que já estavam no ambiente de trabalho antes dele. O respeito sistêmico transcende os limites da razão individual. Isso quer dizer que podemos reconhecer situações onde os mais velhos apresentam comportamentos negativos e tomam decisões inconsequentes, mas podemos, apesar disso, respeitar a pessoa sem necessariamente concordar com ela ou acatar aquilo que é imposto por ela. Quando seguimos a hierarquia, tudo volta ao seu lugar pai no lugar de pai, mãe no lugar de mãe, irmão no lugar de irmão, filho no lugar de filho e assim o sistema flui como deve ser e muitas questões inexplicáveis entram nos eixos e seguem seu caminho como deve ser.
 
Eluise Dorileo é psicóloga, terapeuta familiar com especialização em Constelação Familiar.

Email eluiseguedes@hotmail.com

 

 

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte