Jornal MT Norte
Publicidade
         
      
         
Mergulho vital
Érika Januza enfrente seus medos para viver a doce Julia de "Sol Nascente"
09:44   25 de Novembro, 2016 - Fonte: Carta Z

GERALDO BESSA
TV PRESS

O medo sempre manteve Érika Januza distante do mar. Sem saber nadar e receosa com a inconstância das marés, a atriz, no máximo, molhava os pés na beira da praia. "Eu ficava muito nervosa e com medo de me afogar. Até em piscinas eu me sentia desconfortável", conta a atriz, que teve de encarar essa limitação assim que soube que viveria a caiçara Julia em "Sol Nascente". Na pele da moradora do litoral fluminense, Érika não apenas teve de ter aulas de natação, mas de pesca com rede e vara, artesanato e captura de caranguejos, em uma intensa rotina de três meses de preparação. "Decidi que não usaria dublê nas cenas. Para isso, tive de desconstruir muitas coisas na minha vida. Foi tudo muito difícil. Mas, com o apoio dos técnicos e do elenco, consegui chegar no primeiro dia de gravação pronta para tudo", conta.
O esforço parece ter valido a pena. Aos 31 anos, a atriz natural de Contagem, Minas Gerais, é pura empolgação ao falar não apenas dos dramas de Julia, mas dos bastidores da atual novela das seis. A convivência com outros nomes de seu núcleo, como Juliana Alves, Cinara Leal e Tatiana Tibúrcio, faz toda diferença na hora das gravações. "Elas foram muito companheiras. Acho que meter o pé no mangue juntas fortaleceu a amizade e isso acaba muito evidente no vídeo", diverte-se. Quando são os dilemas de Julia que estão em xeque, ela defende a paixão da personagem pelo cunhado, Nuno, de Pablo Morais, mas com ressalvas. "Julia não escolheu se apaixonar pelo Nuno. Ele acabou decidindo ficar com a irmã dela. Ela respeita a relação dos dois, mas sofre com isso. Isso não a torna má. É um amor genuíno", acredita.
Encontrar Pablo Morais nos estúdios de "Sol Nascente" foi como uma volta ao passado para Érika. Os dois se conheceram durante a preparação para "Suburbia", minissérie de Luiz Fernando Carvalho que marcou a estreia da atriz na televisão e, de cara, no posto de protagonista, em 2012. "Lembrar desse trabalho é muito emocionante. Foi onde pude largar a vida de assistente administrativa e viver da atuação. Todos os caminhos são complexos, mas viver fazendo o que se ama é muito melhor", valoriza. Já começar com um papel principal na televisão é um belo cartão de visitas. Entretanto, Érika teve dificuldades de dar continuidade ao sonho de estar no ar. "A série acabou, a realidade bateu e vi que não era pelo fato de ser protagonista que eu já teria trabalhos garantidos na tevê. Corri atrás não só de testes e oportunidades, mas de cursos para me aperfeiçoar", explica.
Experiência e segurança são dois fatores que diferenciam bem a Érika tímida e introspectiva de "Suburbia" e a mulher de hoje, com jeito de que sabe exatamente o que quer. "Cresci muito em quatro anos. Abri minha cabeça e fui atrás dos meus sonhos. Não importa se o papel é protagonista ou coadjuvante, o importante, para mim, é ganhar repertório", detalha. Seguindo essa linha, a atriz passou por produções de canais pagos como "Copa Hotel", do GNT, e "Os Suburbanos", do Multishow. E também participou de novelas como "Em Família" e "Totalmente Demais", além do quadro "Saltimbum", do "Caldeirão do Huck". "Na época do quadro, eu saltava na piscina e os bombeiros já saíam correndo para me salvar. Hoje, sabendo nadar e sem medo de água, tudo seria diferente. Mas tudo bem! As coisas acontecem na hora certa", destaca.

Questão de visibilidade

Érika Januza sabe que a televisão ainda tem muito o que caminhar para que atores negros tenham mais espaço e personagens de destaque na teledramaturgia. No entanto, ela enxerga positivamente o momento atual, onde nomes como Taís Araújo, Lázaro Ramos, os irmãos Camila e Rocco Pitanga, J. P. Rufino, Juliana Alves e até ela mesma servem como exemplos de visibilidade negra e espelho para que outros jovens invistam na atuação. "Quando era criança, me sentia muito pouco representada na televisão. Hoje, crianças e jovens me param nas ruas e falam da felicidade que é ver mais negros no vídeo. Os tempos estão mudando e a gente está só começando", avisa.

Instantâneas

# Quando ainda trabalhava como assistente administrativa, Érika Januza participava de pequenos concursos de beleza em diversas cidades mineiras.
# Érica deixou para trás cerca de outras 2 mil jovens ao vencer o teste para protagonizar "Suburbia".
# Antes de integrar o elenco de "Sol Nascente", a atriz fez teste para viver a protagonista de "Escrava Mãe", da Record.
# Érika aguarda ansiosamente o lançamento de "O Filme da Minha Vida", longa dirigido por Selton Mello previsto para estrear ainda em 2016 e que marca sua estreia no cinema.

 

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte