Publicidade
         
      
         
SEJUDH discute construção de um CDP em Alta Floresta
Centro de detenção deve construído em área próximo ao lixão seco
10:03   10 de Março, 2017

Assessoria
Prefeitura de Alta Floresta 

Na manhã de terça-feira, 8, uma reunião entre o secretário de Governo, Antônio Ribeiro de Morais, engenheiros da administração pública municipal e engenheiros da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos – SEJUDH- discutiu a cessão de uma área entre município e Estado para a construção de um Centro de Detenção Provisório - CDP - em Alta Floresta. 

A reunião aconteceu na sala de reuniões do gabinete do Executivo Municipal, envolveu o coordenador de Engenharia Civil da SEJUDH, Rafael Oliveira, o engenheiro sanitarista da SEJUDH, Edvaldo de Souza Rodrigues, o engenheiro civil da SEJUDH, Alyson Lima Xavier, o engenheiro Civil da Prefeitura, Edson Bueno, o diretor da Unidade Prisional de Alta Floresta, Laercio Campos, o superintendente de Administração, Claudinei de Jesus e o secretário de Governo, Cel. Antônio Ribeiro de Morais.
O secretário de governo destacou que o objetivo maior da reunião é definir esta parceria com o Estado através da Secretaria de Justiça, comandada hoje pelo Coronel Airton Benedito Siqueira Júnior, para a construção do CDP, em uma área localizada na 2ª Norte, próximo ao aterro de lixo seco. Sistemas semelhantes já estão instalados nos municípios de Peixoto de Azevedo e Juína. “O que é mais importante nisso tudo, é que eles já estão com a disponibilidade financeira, já em parceria com o Governo Federal e a parceria seria com o município, a gente fazer a concessão dessa área para ser construída”, apontou Cel. Ribeiro. 
O novo Centro de Detenção Provisória visa a criação de novas vagas para o Sistema Penitenciário. A Cadeia Pública municipal tem capacidade atualmente para a internação de 70 homens, superlotada, abriga atualmente pouco mais 170. 
O secretário de governo destaca a preocupação com a segurança pública, tendo ele próprio vindo desta área antes de se tornar chefe de gabinete e fala sobre a Cadeia Pública instalada na área central do município. “Hoje nós temos uma Cadeia Pública no centro da cidade e na verdade ela acaba de forma direta ou indireta, colocando em risco até os moradores em volta, em uma possível fuga em massa”, pontuou.
Após a reunião, os engenheiros seguiram até a área, de 2 hectares,  a ser feita a cessão. Caso a área atenda a necessidade, deverá ser legalizada a transferência, através de projeto enviado a Câmara Municipal. 
Tão logo a área seja legalizada, as obras por parte da SEJUDH devem iniciar, 150 novas vagas para desafogar o atual sistema penitenciário do município, que atende a região que compreende os municípios de Nova Bandeirantes, Nova Monte Verde, Apiacás, Paranaíta, Alta Floresta, Carlinda e Nova Canaã do Norte. A previsão de término é para dezembro deste ano.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte