Jornal MT Norte
Publicidade
         
      
         
Trilha de sucesso
No ar em “Novo Mundo”, Chay Suede fala sobre a profissão e relembra o início como músico
19:09   04 de Setembro, 2017 - Fonte: Carta Z

Anna Bittencourt
TV Press

Aos 25 anos, Chay Suede frequentemente se espanta ao olhar para trás e enxergar sua trajetória na tevê. Natural de Vila Velha, no Espírito Santo, o intérprete do decidido Joaquim, de “Novo Mundo”, nunca pensou em estar no veículo. Pelo contrário. Assim que terminou o colégio, prestou vestibular para História, mesmo depois de experimentar o gostinho da fama no “reality show” “Ídolos”, exibido pela Record em 2010. “Acabei fazendo Cinema, por influência do meu pai. Mas não planejava estar na frente das câmeras. Minha inclinação maior sempre foi trabalhar com música”, entrega. Foi atrás de seguir a carreira de seus sonhos, como músico, que encontrou a porta de entrada para a vida que leva hoje. “Entrei na competição achando que não tinha a menor chance. Mas, ainda como candidato, assinei para fazer ‘Rebelde’”, diz o ator, que ficou em quinto lugar na disputa.
O reconhecimento veio com a versão brasileira da novela “teen”, exibida entre 2011 e 2012. A partir daí, Chay ganhou uma projeção que não esperava - e nem pretendia. “Atuar é sofrimento puro. A música tem prazer, mas interpretar é entrega e confiança no próximo”, reflete. Dois anos depois, migrou para Globo, onde tem perfilado papéis de destaque desde “Império”, em que interpretou José Alfredo jovem, personagem de Alexandre Nero. Depois de recusar o convite para protagonizar “Rock Story”, ele achou em “Novo Mundo” seu primeiro posto de protagonista. “Achei que viver um ídolo teen em uma novela musical era muito parecido com o que eu já havia feito em ‘Rebelde’ e quis apostar em alguma coisa diferente”, explica.
O convite do diretor Vinícius Coimbra veio na sequência de sua recusa. E antes mesmo de ter o roteiro em mãos, Chay aceitou interpretar Joaquim. “Veio em um momento em que eu estava sendo atravessado pela História do Brasil, pelo movimento indígena. Já estava estudando sobre isso e comecei a estudar muito mais”, revela. Para ele, recontar a história do país nesse período como um agente de transformação é uma chance única. “Acho que é o produto que mais gostei de estar dentro da Globo”, acredita. Na história de Thereza Falcão e Alessandro Marson, o personagem do ator foge da Europa após ser injustamente acusado de roubo. No Brasil, se envolve com os direitos dos índios, se torna conselheiro de Dom Pedro - interpretado por Caio Castro -, trava uma luta de interesses com Thomas pelo amor de Anna - personagens de Gabriel Braga Nunes e Isabelle Drummond - e se descobre como filho de Dom João, papel de Léo Jaime. “O arco do personagem é muito grande. Ele é o herói da história, mas não se coloca nessa posição. A ficha dele vai caindo aos poucos e foi gostoso acompanhar”, afirma.
Além de estudar o período histórico, o ator teve de se preparar para “Novo Mundo” de outras maneiras. Ao lado de Ingrid Guimarães, que interpreta Elvira, ele fez um “workshop” de “commedia dell arte”, uma modalidade de teatro popular no Século XV. “Foi isso o que mais me demandou tempo. É uma atuação muito diferente. O corpo precisa estar mais presente, mais forte”, explica. Com muitas cenas de batalhas pela frente, Chay também teve de perder o medo de altura para conseguir dar sequência às cenas de Joaquim. “Fizemos treinos de espadas e treinos com dublês”, diz ele, que garante que prefere dispensar seu substituto quando consegue dar conta das coreografias de lutas. “Adoro fazer. Claro que já me machuquei porque, às vezes, a euforia fala mais alto. Mas gosto mesmo assim”, diz, entre risos.

Pés no chão

Apesar de experimentar uma fase boa em sua carreira e se enxergar disputado por produções, diretores e autores, Chay Suede garante que não se deixa deslumbrar. “Minha vaidade está diretamente ligada ao trabalho. Fico vaidoso ao receber novos convites. Acho que tem a ver com o brio, porque você se sente valorizado”, explica. Para o ator, isso acontece porque ele não se sente confortável com a fama e com o que vem atrelado a ela. “Apesar de estar cada vez mais seguro com meu trabalho, me sinto cada vez menos à vontade nesse posto de ser galã”, reflete.
Para Chay, conseguir enxergar isso e se colocar no tamanho exato é fruto de uma vida estruturada ao lado da família. “Sempre me mostraram os caminhos e me deixaram livre para escolher”, relembra. Além disso, ter pouco tempo para se deslumbrar com fama e luxo também acaba ajudando. “Gravo de manhã, à tarde, de madrugada... Não sobra tempo para ficar projetando ser quem não sou”, diverte-se.

 

Instantâneas

# Por conta das gravações de “Novo Mundo”, Chay Suede está temporariamente afastado da sua banda, Aymorécos. 
# Quando tem um tempo livre, o ator gosta de passear de moto com a namorada, a também atriz Laura Neiva.
# Recentemente, ele gravou uma participação na próxima temporada de “Valentins”, série do canal a cabo Gloob.
# Chay também está confirmado no elenco de “O Sétimo Guardião”, folhetim que deve estrear no próximo ano.

 

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte