Jornal MT Norte
Publicidade
         
      
         
Após operação, prefeito rescinde contrato e afasta servidores
Valdir Rio Branco abriu processo disciplinar para investigar conduta de servidora
12:10   02 de Outubro, 2017

Reportagem
Mato Grosso do Norte

O prefeito de Nova Bandeirantes, Valdir Rio Branco (PSB) após a operação Loki na prefeitura municipal, motivada pordenúncias de irregularidades feitas pela Controladoria Interna, vem tomando uma série de decisões no âmbito da administração, para restabelcer a governabilidade.
Ele já afastou diversas pessoas da administração. O assessor jurídico da prefeitura, cargo que era ocupado pelo advogado Eron da Silval Lemes, marido da prefeita Beatriz de Nova Monte Verde, foi exonerado.
O advogado foi conduzido coercitivamente pelos agentes policiais, durante a operação, para prestar depoimento.
Também foi exonerada a servidora Daiana Priscila de Souza, chefe do Departamento de Assistência Social. 
O prefeito decidiu rescindiu o contrato com a empresa E.C.T Preco & CIA LTDA, que prestava assessoria contábil para a prefeitura, e que tinha como titular, Eleandro Antônio Pereco, um dos pivôs da operação Loki, conduzido para prestar depoimento pelos agentes policiais. 

Também foi aberto, por determinação do prefeito de Nova Bandeirantes, processo administrativo disciplinar para apurar a conduta da funcionária Margareth Aparecida Nicola. O motivo alegado para a abertura da investigação, que deve ser concluída em 30 dias, também é a operação Loki. Margareth e concursada e funcionária desde 2002, lotada na secretaria de Administração.
Se o processo Administrativo disciplinar não for concluído em 30 dias, a Portaria permite que o prazo seja estendido. Por enquanto, a servidora está afastada de suas funções.
Conforme uma fonte desta coluna, que pediu para não ter o nome revelado, nesta semana, mais servidores podem ser afastados de suas funções. O prefeito Valdir Rio Branco estaria se sentindo traído por diversas pessoas que tinham sua confiança, mas que praticaram irregularidades, que resultaram em graves consequências e prejuízos para sua administração.
 Câmara Municipal – A Câmara Municipal de Nova Bandeirantes, apesar de desacreditada diante da população, já iniciou os trabalhos para apurar as evidências de irregularidades que vieram à tona com a operação Loki. Foi instaurada uma C.E.I- Comissão Especial de Inquérito- para apurar as irregularidades. 
Na semana passada, o vereador Dr. Márcio Laurindo, pediu licença do cargo, argumentando que irá realizar tratamento médico. Diante dos comentários surgidos com sua decisão, de se afastar temporariamente da Câmara em meio à crise política, o parlamentar  disse que estava doente, já com atestado médico dias atrás, antes de terem acontecidos os relevantes fatos políticos que abalaram o município.
  “Não tenho como controlar o imaginário da população. Mas meu atestado é de antes. Porém, permaneci para ajudar a Câmara na visão da necessidade de abrir a CPI. Pois acredito que foi necessário para apurar as denúncias. Acredito que mesmo que eu não participe da comissão, os vereadores que forem realizar as investigações, serão competentes e com compromisso de defender os direitos do povo”, disse o vereador, que também é médico no município.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte