Jornal MT Norte
Publicidade
         
      
         
Vereador diz que espera que concessão de estradas não onere população
Previsão é que pedágios estejam implantados até no 2º semestre de 2018
14:09   03 de Novembro, 2017

Mato Grosso do Norte

O vereador Dida Pires (PPS) que participou da audiência Pública para discutir o Programa de Parcerias com o Setor Privado para investimentos na Logística de Mato Grosso, realizada no dia 26 no auditório no CDL em Alta Floresta, considera que a partir da privatização das estradas, o governo estadual deve reduzir o índice da alíquota do Fethab, porque não terá mais despesas com a manutenção das MTs 320 e 208.
Outra sugestão do parlamentar é que o governo também analise abatimento na cobrança do IPVA dos veículos emplacados nestas cidades, principalmente carros utilitários como caminhões, que pagarão o valor mais alto nos pedágios. 
Segundo o vereador, de acordo com o que foi discutido na audiência, o primeiro ponto de pedágio será a 23 quilômetros de Alta Floresta. Os demais pontos a ser determinados serão entre as cidades de Nova Canaã do Norte e Colíder e entre Colíder e Nova Santa Helena.
O valor de cada pedágio será de R$ 7.90. A meta do governo é fazer o leilão até no final de dezembro, assinar o contrato em março e começar a funcionar no segundo semestre de 2018.
Todavia, diante do exposto, Dida Pires e o vereador Netinho, presidente da Câmara Municipal de Paranaíta, sugeriram ao represente do governo estadual na audiência, que o primeiro ponto de cobrança de pedágio seja implantado depois do município de Carlinda.

“Alta Floresta é uma cidade polo e os moradores de Carlinda sempre estão aqui. Como a cidade tem uma população de agricultores familiares, com economia com base na bacia leiteira, e de aposentados, a cobrança do pedágio vai pesar para estas pessoas. Por isso, sugerimos que o governo analise esta situação e faça um leilão um pouco mais acessível”, disse. 
O parlamentar também sugeriu que o leilão contemple o perímetro o urbano de Alta Floresta com redutores eletrônicos de velocidade e com a construção de um viaduto no trevo da cidade. “Conhecemos as condições desta rodovias há anos e sabemos que as condições de tráfego não são boas. Esperamos que com a concessão para a iniciativa privada, a qualidade destas rodovias melhorem”, comentou.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte