Jornal MT Norte
Publicidade
         
      
         
Fala certeira
Com papéis seguidos na tevê, Rafael Cardoso comemora sua volta ao horário das nove
13:29   01 de Dezembro, 2017

Anna Bittencourt

TV Press

Rafael Cardoso é um homem de poucas palavras. O jeito lacônico do ator, no entanto, não esconde sua empolgação diante de um novo personagem. Em sua nonva novela na Globo, desde sua estreia na Globo, em 2008, o intérprete do médico Renato em “O Outro Lado do Paraíso” diz que bons personagens o motivam a entrar em novos trabalhos. Depois de interpretar pela primeira vez um vilão em sua última aparição, no folhetim “Sol Nascente”, ele viu na novela das nove a chance de experimentar um tipo dúbio. “Ele tem traços de um anti-herói, com uma pegada mais real. É um cara bom, mas também tem erra e tem ambições”, explica.

No início da história de Walcyr Carrasco, Renato é um médico que saiu do Rio Grande do Sul para ser médico no Jalapão, no Tocantins. Lá, ele se apaixona por Clara, personagem de Bianca Bin, que acaba se casado com Gael, de Sérgio Guizé. Após muitos maus tratos e armações, Clara some e ele acaba se casa com Lívia, vivida por Grazi Massafera. Mas, ao descobrir que foi enganado por sua nova família, o personagem sofrerá uma reviravolta. “As novelas do Walcyr têm muitas viradas. Então procurei construir bem o personagem para estar preparado para tudo que pode acontecer”, resume.

Na preparação, o tempo que passou no Jalapão contribuiu muito para a criação de Renato. “Passamos quase 30 dias lá, nos ambientando a região e respirando aqueles ares. É muito bom viajar assim, porque pegamos umas peculiaridades que só estando lá para perceber”, conta. Lá, nos intervalos das gravações, Rafael visitou quilombos e viu médicos que faziam trabalhos voluntários em regiões carentes. “Eu me inspirei muito neles, na dedicação que têm”, revela. Além disso, fez “workshops” na Globo, além de buscar experiências pessoais para o papel. “Tenho uma grande amiga que é médica. Então acompanhei o trabalho que ela faz e cheguei a frequentar  plantões. Foi uma experiência enriquecedora”, celebra.

Depois de duas participações em folhetins das seis – “Sol Nascente” e “Além do Tempo” –, Rafael volta ao horário das nove. Ele jura, no entanto, que não tem uma faixa de preferência. “O ritmo também é igual. Fiz personagens centrais, então o volume das gravações também foi grande, mesmo em outros horários”, afirma. Segundo ele, o tamanho dos personagens não influencia sua participação em um folhetim. Embora ultimamente ele tenha aparecido somente em posições de destaque. “Independentemente do tamanho, procuro achar a motivação em cada um deles.”, opina.

 

Homem de negócios

Além de trabalhar na tevê, Rafael Cardoso também tem um lado empreendedor. Ele atuante no ramo da gastronomia. Sócio do restaurante Puro, no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio de Janeiro, o ator também é proprietário de outros dois restaurantes e faz questão de produzir os alimentos orgânicos que são consumidos nos seus estabelecimentos. “Eu me proponho a fazer só as coisas que consigo levar adiante. Não me envolvo com nada que eu não seja apaixonado”, aponta.

Por sempre estar envolvido com a dramaturgia, ele conta que é preciso estar cercado de uma equipe eficiente e de confiança para ajudar nos restaurantes. “Não acredito em administração centralizadora. Prefiro ter sócios, todo mundo ajuda junto e ganha junto”, revela. O gosto por gerenciar empreendimentos do ramo alimentício veio da sua paixão pela gastronomia. “Gosto bastante de cozinhar, mas do que realmente sei. Mas adoro ficar um tempão com as panelas”, admite.

 

Instantâneas

# Rafael Cardoso começou a carreira aos 16 anos, com pequenas participações na RBS TV, do Rio Grande do Sul.

# Seu primeiro protagonista foi o Rodrigo, de “A Vida da Gente”, exibida pela Globo em 2011.

# Esse ano, ele participou do filme “O Rastro”, de J. C. Feyer.

# Rafael teve cerca de duas semanas de descanso entre o fim de “Sol Nascente” e o início da preparação de “O Outro Lado do Paraíso”.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte