Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
A ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: O DESAFIO DE ALFABETIZAR
Palavras chaves: Alfabetização, letramento, educação.
16:59   08 de Dezembro, 2017
50696cf566320c8531c2e832de9f2e35.jpg

Resumo: O presente artigo, ora apresentado, propõe uma reflexão sobre a compreensão dos processos de alfabetização e letramento, no âmbito escolar. Tenta-se mostrar que mesmo sendo processos diferentes, porém, indissociáveis, apontando as contribuições dos dois processos, sendo alfabetização e letramento proporcionam a educação. Segundo Magda Soares (2003), dissociar alfabetização e letramento é um equívoco porque, logo que as concepções psicológicas, linguísticas e psicolinguísticas de leitura e escrita, a entrada da criança no mundo da escrita ocorre respectivamente pelo alcance alfabetização e pelas habilidades de leitura e escrita, nas práticas sociais que envolvem a língua escrita, isto é, o letramento. A metodologia utilizada obteve-se a partir de referencias bibliográficos. Por meio dos estudos realizados, verificou-se que o letramento é de suma importância para a aprendizagem das crianças por meio das práticas sociais que envolvem a língua escrita.

 

Introdução: O conhecimento nos primeiros momentos da educação escolar de uma criança mostra-se que por meio da leitura e escrita é possível formar pequenos leitores. Pois, toda criança possui suas potencialidades, suas capacidades intelectuais individuais, é necessariamente importante para o progresso escolar. É possível compreender por meio do incentivo á leitura e a escrita na alfabetização a aquisição da linguagem como ponto de partida para a aprendizagem.

Objetivo: O interesse em desenvolver esse projeto de formação fez-se necessário para incentivar a formação de professores a respeito da alfabetização e letramento.  propõe uma reflexão sobre a compreensão dos processos de alfabetização e letramento, no âmbito escolar.

Metodologia: O conhecimento das letras é apenas um meio para o letramento, que é o uso social da leitura e da escrita. Para formar cidadãos atuantes e interacionistas, é preciso conhecer a importância da informação sobre letramento e não de alfabetização.  Letrar significa colocar a criança no mundo letrado, trabalhando com os distintos usos de escrita na sociedade. Essa inclusão começa muito antes da alfabetização, quando a criança começa a interagir socialmente com as práticas de letramento no seu mundo social. O letramento é cultural, por isso muitas crianças já vão para a escola com o conhecimento alcançado de maneira informal absorvido no cotidiano. Ao conhecer a importância do letramento, deixamos de exercitar o aprendizado automático e repetitivo, baseado na descontextualização. O educador da alfabetização deve refletir sobre o papel do contato dos estudantes com diferentes textos, em atividades de leitura e escrita realizadas dentro e fora da escola.

Resultados e discussões: Sabemos que nos dias de hoje a sociedade esta em constante mudança, por isso surge novas exigências em relação ao aprendizado. Hoje, não basta saber ler e escrever para estar inserido na sociedade, para, enfim, cumprir o papel de cidadão é preciso ir, além disso. A criança nessa fase necessita de leitura e escrita espontânea de texto diversa, mesmo sem domínio das convenções da escrita; participação em jogos e brincadeiras com linguagem; entre muitas outras possíveis. Ao lado disso as crianças devem ser encorajadas a pensar, a discutir, a conversar e especialmente a raciocinar sobre a escrita alfabética, pois um dos principais objetivos do trabalho com a língua nos primeiros anos| do Ensino Fundamental é lhe assegurar o conhecimento sobre a natureza e o funcionamento do sistema de escrita, compreendendo e se apropriando dos usos e convenções da linguagem e suas mais diversas funções.

Considerações finais: Enfim, trabalhar a alfabetização na perspectiva do letramento implica substituir as práticas engessadas das cartilhas e dos livros didáticos por situações reais de uso dos diferentes gêneros e tipos textuais que circulam no cotidiano. Romper com práticas tradicionais por práticas que façam sentido para o aluno, concedendo-lhe o direito de usufruir da escrita como bem cultural, tornando-o um sujeito mais participativo, crítico e consciente, capaz de exercer plenamente a sua cidadania. 

 

Tailaine de Oliveira Fagundes

Gislaine Aparecida de Oliveira Fagundes

Aline Gracieli da Cruz

Márcia Regina da Costa

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte