Jornal MT Norte
Publicidade
         
      
         
DESIGULADADE RACIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Palavras chaves: Educação Infantil. Relações Raciais, Desigualdades.
21:01   11 de Dezembro, 2017

RESUMO: Em nossa sociedade existe o mito que a discriminação racial encontra-se apenas no meio dos adultos, e, que o preconceito racial não faz parte do dia a dia das crianças na Educação Infantil. O mesmo discurso evidencia que não existem conflitos raciais entre os pequenos. Por meio deste artigo, buscou-se verificar se há práticas pedagógicas para a Educação Infantil, visando proporcionar a igualdade racial, por meio de práticas pedagógicas no âmbito escolar da Escola Irmã Dulce. A metodologia utilizada pautou-se em referenciais bibliográficos de cunho qualitativo. Por meio de observação participante. Constatou que o preconceito existente nas relações estabelecidas entre alunos professores no contexto escolar são muito visíveis

 

Introdução: Desde muito cedo as crianças começam a conhecer a si mesmo. E na fase da Educação Infantil, nota-se que elas percebem as diferenças e semelhanças entre si e seus colegas. Nessa fase, percebem-se com quem elas querem brincar ou não. A criança passa a ter suas preferencias. E a partir daí que o educador deve desenvolver um trabalho que respeito o outro, independente da cor da sua pele. Promover a igualdade racial para as crianças em fase da Educação Infantil é e compreender os fatos que acontecem na escola, principalmente em relação ao preconceito racial é fundamental, pois o educador precisa superar práticas racistas propondo situações diversificadas, com novas visões, diminuindo o preconceito e acabando ou pelo menos minimizando os estereótipos e as desigualdades existentes.

Objetivo buscou-se verificar se há práticas pedagógicas para a Educação Infantil, visando proporcionar a igualdade racial, por meio de práticas pedagógicas no âmbito escolar da Escola Irmã Dulce.

Metodologia: A questão do racismo em sala de aula está bastante presente, seja nas relações estabelecidas entre os estudantes, entre estudantes e educadores, nos livros didáticos, conforme exposto anteriormente, pois muitas vezes trazem temas carregados de preconceito. Para minimizar o preconceito existente na escola os educadores precisam lançar mão de uma postura firme quanto a atitudes discriminatórias, ocorridas na sala de aula, selecionar materiais didáticos que valorizem todas as culturas, evidenciando a riqueza das diferenças e não uma em detrimento da outra. É preciso também, que o professor tome muito cuidado ao escolher os textos que trabalhará com seus alunos, bem como na forma em que irá desenvolver determinados conteúdos, para não aumentar ou aguçar as desigualdades e o preconceito.

Resultados e discussões: A escola precisa garantir o acesso a todos ao conhecimento, possuir um ambiente acolhedor, agradável, onde todos se sintam parte, não deve nunca ser um lugar de exclusão e preconceito. Logo que no cotidiano escolar presenciamos vivencias marcadas pelo preconceito racial e racismo no ambiente escolar. Este fato pode ser observado nos corredores escolares, na sala de aula, na relação estabelecida entre os pares, nas relações de trabalho e na sociedade em geral. E ao observar contexto da escola Irma Dulce, onde estudam cerca de 420 alunos, alguns alunos negros, uma minoria, por ser uma escola que pertence a um bairro mais elitizado, então poucos negros estudam nela. Percebem-se os conflitos raciais relacionados a esses poucos alunos, pois os mesmos são estigmatizados por seus colegas, alguns professores e equipe pedagógica buscam soluções para resolver tais conflitos no interior da mesma, sem, contudo pesquisar o que realmente está acontecendo.

Considerações finais: Diante das análises, percebe-se que o preconceito existente em nossa sociedade, não só entre os alunos, mas também por parte de muitos professores, que fazem de conta que não são preconceituosos, preferem fechar seus olhos ao invés de optarem por uma mudança de postura. Se os seres humanos fossem mais humanos, não precisávamos de leis para garantir a igualdade, a dignidade e o respeito.

 

Tailaine de Oliveira Fagundes

Gislaine Aparecida de Oliveira Fagundes

Aline Gracieli da Cruz

Márcia Regina da Costa

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte