Jornal MT Norte
Publicidade
         
      
         
Sem parar
No ar em “Apocalipse”, Igor Rickli fala de seus recentes trabalhos na Record
13:49   05 de Janeiro, 2018

Igor Rickli aponta o ano de 2017 como um dos melhores de sua carreira. Contratado em 2016 pela Record, o ator se viu como protagonista em duas novelas consecutivas na emissora. Depois de uma participação em “Terra Prometida”, ele foi o vilão de “O Rico e Lázaro” e agora interpreta o mocinho Benjamin de “Apocalipse”. Para ele, em um período em que o ofício na tevê ficou ainda mais incerto, com muitos atores tendo seus contratos encerrados ou ficando por muito tempo na geladeira, a possibilidade de emendar dois trabalhos com personagens centrais em uma trama é motivo para comemorar. “É um novo tempo para todo mundo. Não adianta ter só talento, é preciso saber se portar e se reinventar”, afirma. Por isso, não se importou em ter apenas um mês de férias entre as gravações. “Fiquei triste por um tempo porque achei que não fosse rolar mais nenhum convite. Então quando veio, nem pisquei antes de aceitar”, revela ele, com bom humor.

Antes de fechar sua continuação na Record, Igor estava quase assinando contrato com o SBT. Ele ia migrar para a emissora de Silvio Santos para interpretar o galã de “Poliana”, novela infantil que substituirá “Carinha de Anjo”. “Também fui chamado para apresentar um programa. Foi legal ver que tenho outras possibilidades, apesar de querer ficar aqui por um tempo, desenvolvi uma relação muito boa”, conta. Além disso, a chance de interpretar um mocinho logo depois de dar vida a um vilão chamou muito sua atenção. “O público torce. Então, tiveram muita raiva de mim, agora quero ver estar do outro lado da moeda, sentir uma vibração mais leve”, explica.

Na novela de Vívian de Oliveira, Benjamin é um “hacktivista” – ou seja, usa a tecnologia usada pelos “hackers” para o bem, para descobrir pedófilos, chantangens e outros crimes virtuais. “Ele é um cientista que trabalha para melhorar o mundo. Não tem outra motivação, como o dinheiro. Ele quer transformar as coisas de forma positiva”, explica. No entanto, um amigo de infância vai tornar as coisas muito complicadas. Ricardo, o Anticristo interpretado por Sérgio Marone, vai usar as invenções de Benjamin para fazer o mau. “Ele vai dar uma bagunçada na vida do Benjamin. E ainda vai lutar com ele pelo amor da Zoe”, diz, citando a personagem vivida por Juliana Knust, que faz seu “début” na Record.

Apesar de seu personagem ser um cara ligado em tecnologia, Igor confessa que não buscou muito esse lado na hora de compor o personagem. “Acho que isso é mais pano de fundo e não é tão relevante para a forma que eu quero contar essa história”, justifica. Por isso, ele percorreu outros caminhos com seu time de “coaches”. Além de ler muito sobre pessoas que trabalham para melhorar o mundo de alguma forma, ele conta que se inspirou muito nele mesmo para criar Benjamin. “Geralmente eu vou atrás da composição de uma forma muito tensa, com muita sede. Dessa vez, vi que podia emprestar algumas coisas. Ele é parecido comigo. Ele é o Igor, caso eu estivesse naquelas situações”, jura.

Início e meio

Natural de Ponta Grossa, no Paraná, Igor começou a fazer teatro quando era criança na igreja que sua família frequentava. Apesar do início religioso, ele confessa que não segue nenhuma doutrina. “Minha religião é a fé no respeito e no amor”, afirma. Depois disso, já com 18 anos, começou a produzir seus próprios espetáculos, desta vez, mais conectados com seus gostos pessoais. Trabalhando como modelo e ator, foi ganhando cada vez mais espaço e notoriedade no teatro. A estreia na tevê, no entanto, foi sempre ficando para depois. O “début” só foi acontecer em 2013, em “Flor do Caribe”, da Globo. “Acho que, por um lado, foi muito bom começar mais tarde. Tinha mais maturidade para aguentar a pressão que é estar na tevê todo dia, durante meses”, opina.

 

Instantâneas

# Depois de “Flor do Caribe”, Igor também participou de “Alto Astral”, da Globo.

# Nos primeiros capítulos de “Apocalipse”, o personagem de Igor foi interpretado por Pedrinho Mello.

# O ator é casado com Aline Wirley, que foi cantora do grupo Rouge.

# O trampolim que levou Igor para a tevê foi o personagem no musical “Hair”, dirigido por Miguel Falabella.

 

Apocalipse” - Record - de segunda a sexta, às 20h30.

Igor Rickli aponta o ano de 2017 como um dos melhores de sua carreira. Contratado em 2016 pela Record, o ator se viu como protagonista em duas novelas consecutivas na emissora. Depois de uma participação em “Terra Prometida”, ele foi o vilão de “O Rico e Lázaro” e agora interpreta o mocinho Benjamin de “Apocalipse”. Para ele, em um período em que o ofício na tevê ficou ainda mais incerto, com muitos atores tendo seus contratos encerrados ou ficando por muito tempo na geladeira, a possibilidade de emendar dois trabalhos com personagens centrais em uma trama é motivo para comemorar. “É um novo tempo para todo mundo. Não adianta ter só talento, é preciso saber se portar e se reinventar”, afirma. Por isso, não se importou em ter apenas um mês de férias entre as gravações. “Fiquei triste por um tempo porque achei que não fosse rolar mais nenhum convite. Então quando veio, nem pisquei antes de aceitar”, revela ele, com bom humor.

Antes de fechar sua continuação na Record, Igor estava quase assinando contrato com o SBT. Ele ia migrar para a emissora de Silvio Santos para interpretar o galã de “Poliana”, novela infantil que substituirá “Carinha de Anjo”. “Também fui chamado para apresentar um programa. Foi legal ver que tenho outras possibilidades, apesar de querer ficar aqui por um tempo, desenvolvi uma relação muito boa”, conta. Além disso, a chance de interpretar um mocinho logo depois de dar vida a um vilão chamou muito sua atenção. “O público torce. Então, tiveram muita raiva de mim, agora quero ver estar do outro lado da moeda, sentir uma vibração mais leve”, explica.

Na novela de Vívian de Oliveira, Benjamin é um “hacktivista” – ou seja, usa a tecnologia usada pelos “hackers” para o bem, para descobrir pedófilos, chantangens e outros crimes virtuais. “Ele é um cientista que trabalha para melhorar o mundo. Não tem outra motivação, como o dinheiro. Ele quer transformar as coisas de forma positiva”, explica. No entanto, um amigo de infância vai tornar as coisas muito complicadas. Ricardo, o Anticristo interpretado por Sérgio Marone, vai usar as invenções de Benjamin para fazer o mau. “Ele vai dar uma bagunçada na vida do Benjamin. E ainda vai lutar com ele pelo amor da Zoe”, diz, citando a personagem vivida por Juliana Knust, que faz seu “début” na Record.

Apesar de seu personagem ser um cara ligado em tecnologia, Igor confessa que não buscou muito esse lado na hora de compor o personagem. “Acho que isso é mais pano de fundo e não é tão relevante para a forma que eu quero contar essa história”, justifica. Por isso, ele percorreu outros caminhos com seu time de “coaches”. Além de ler muito sobre pessoas que trabalham para melhorar o mundo de alguma forma, ele conta que se inspirou muito nele mesmo para criar Benjamin. “Geralmente eu vou atrás da composição de uma forma muito tensa, com muita sede. Dessa vez, vi que podia emprestar algumas coisas. Ele é parecido comigo. Ele é o Igor, caso eu estivesse naquelas situações”, jura.

Início e meio

Natural de Ponta Grossa, no Paraná, Igor começou a fazer teatro quando era criança na igreja que sua família frequentava. Apesar do início religioso, ele confessa que não segue nenhuma doutrina. “Minha religião é a fé no respeito e no amor”, afirma. Depois disso, já com 18 anos, começou a produzir seus próprios espetáculos, desta vez, mais conectados com seus gostos pessoais. Trabalhando como modelo e ator, foi ganhando cada vez mais espaço e notoriedade no teatro. A estreia na tevê, no entanto, foi sempre ficando para depois. O “début” só foi acontecer em 2013, em “Flor do Caribe”, da Globo. “Acho que, por um lado, foi muito bom começar mais tarde. Tinha mais maturidade para aguentar a pressão que é estar na tevê todo dia, durante meses”, opina.

 

Instantâneas

# Depois de “Flor do Caribe”, Igor também participou de “Alto Astral”, da Globo.

# Nos primeiros capítulos de “Apocalipse”, o personagem de Igor foi interpretado por Pedrinho Mello.

# O ator é casado com Aline Wirley, que foi cantora do grupo Rouge.

# O trampolim que levou Igor para a tevê foi o personagem no musical “Hair”, dirigido por Miguel Falabella.

 

Apocalipse” - Record - de segunda a sexta, às 20h30.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte