Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Primeira turbina da Usina Hidrelétrica São Manoel já está gerando energia
Empreendimento estava previsto para julho de 2018; energia gerada será negociada para reforçar o sistema
14:23   10 de Janeiro, 2018
b6e74a1e8b072a4e7b9f456adff7cb42.jpg

A Usina Hidrelétrica São Manoel foi conectada ao Sistema Interligado Nacional (SIN). No início da noite segunda-feira, 5\12\2017, iniciou a operação em teste da sua primeira turbina hidrelétrica, antecipando o prazo previsto de maio de 2018 estabelecido nos contratos de comercialização de energia elétrica no ambiente regulado (CCEAR). A obra é uma parceria entre a CTG Brasil, EDP Brasil e Furnas Centrais Elétricas.
O empreendimento, construído no Rio Teles Pires, na Divisa do estado do Mato Grosso com o Pará, opera a fio d’água, configuração na qual há baixo reservatório acumulado para a geração de energia. As obras tiveram início em setembro de 2014 e, até o terceiro trimestre, receberam investimentos de R$ 3,3 bilhões. Serão quatro unidades geradoras com 175 megawatts (MW) de capacidade instalada cada, totalizando 700 MW de potência, energia suficiente para atender uma população de cerca 2,5 milhões de pessoas.
“Continuamos trabalhando com um cronograma de antecipação das outras três máquinas”, afirma Luiz Otavio Henriques, presidente da Empresa de Energia São Manoel.

No final de novembro de 2017, o analista de Meio ambiente da empresa, Ricardino Fortaleza, dique que as obras estão adiantadas com relação ao cronograma inicial e a usina está em fase de conclusão.  

Ricardino afirmou que a usina estará concluída no mês de maio, quando a quarta turbina geradora de energia entrará em operação. “Nos próximos meses as outras três também começam a funcionar e até no mês de maio de 2018, todas as quatro turbinas estarão em funcionamento”, explica.
Conforme o analista de Meio Ambiente da São Manoel, a empresas cumpriu com seus compromissos com os municípios de Alta Floresta, Paranaíta e Jacareacanga, os três que foram impactados com o empreendimento. 
“Todas as compensações foram feitas, principalmente na área social, onde se insere a população e também com os povos indígenas”, assegura.
Os contratos de venda de longo prazo assinados quando o empreendimento foi leiloado precisam ser cumpridos somente a partir de maio de 2018. Por isso, o volume produzido até lá será liquidado no mercado de curto prazo ou comercializado em contratos bilaterais.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte