Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Conflito entre invasores na fazenda de Silval
Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Peixoto, afirma que aproveitadores estão fazendo inscrições para assentamento na área
14:02   07 de Março, 2018
0c4ad406f6ccc4f1b5a6329d8b2acf9e.jpg

José Vieira do Nascimento
Editor MT Norte

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Peixoto de Azevedo, Francisca da Silva Ribeiro, alerta que a qualquer momento poderá acontecer um conflito entre os invasores da fazenda Serra Dourada II, de propriedade do ex-governador Silval Barbosa, localizada em Peixoto de Azevedo.
A sindicalista disse que encaminhou pedido para a justiça que a fazenda fosse destinada ao assentamento de famílias de Peixoto de Azevedo, que comprovem que são da Agricultura Familiar. 
Todavia, afirma que grupos de pessoas de diferentes regiões de Mato Grosso e do Pará, estão cobrando para cadastrar pessoas para receberem áreas de terra, se a propriedade for dividida para assentamento.
“Tem pessoas da região do Jamanxim, Pará, de Sorriso e do distrito União do Norte, recebendo dinheiro para fazer as inscrições, enganando as pessoas que acreditam que vão receber um pedaço de terra. Cobram de R$ 1.500,00 a R$ 5000,00”, denúncia Francisca.
A fazenda do ex-governador havia sido dado por ele como parte do acordo de devolução de bens, em sua delação premiada para se livrar da cadeia. A área de 4,1 mil hectares, espaço suficiente, segundo Francisca, para assentar aproximadamente, 40 famílias em lotes de 100 hectares.
No entanto, ela disse que tem muita gente no local e os grupos que estão vendendo a terra estão entrando em conflito, por causa das supostas inscrições.
Segundo ela, até o nome do Intermat – Instituto de Terra de Mato Grosso- está sendo usado para ludibriar as pessoas. 
“A justiça tem que tomar providências antes que aconteça um conflito com mortes entre estas pessoas que estão na fazenda. A situação está tensa porque não estão se entendendo. Tem pessoas que estão sendo enganadas e outras que querem levar vantagem com a situação”, enfatiza. Para a sindicalista, caso a área volte mesmo para o Estado, deve ser priorizado o assentamentos de famílias de Peixoto de Azevedo, agricultores que moram no município, mas que ainda não tem terra para trabalhar.
“Já encaminhamos nosso pedido à justiça e entendemos que a área deve ser destinada a reforma agrária para famílias de Peixoto. Afinal de contas, a fazenda do ex-governador faz parte do território do município”, acentua Francisca.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte