Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Um erro quase aceitável
Pergunto, sua consciência está encarregada ou carregada?
17:40   11 de Maio, 2018
449398b979d5c59e1d34cf71952f0a0b.jpg

“Só por desencargo de consciência. Uma frase absurda, e incorreta, que eu continuo ouvindo há anos”. Escrevi dia desses em minha rede social. Muitos estranharam, afinal, todos dizem isso. Políticos, professores, doutores, sem distinção. Na verdade o criador dessa frase deve ter cometido o erro e cometido o suicídio em seguida. Não! Exagero. Ele simplesmente disse e o dito tomou corpo, como um Fake News da época. A grande maioria achou bonito, por soar assim meio chique.
E a coisa (a frase) pegou. Tudo bem. Hoje até os melhores dicionários já admitem isso. Mas, vejamos: o desencargo é antônimo de encargo. Até aí tudo bem. Exemplo: você, no seu trabalho, está encarregado de cumprir com a obrigação que o seu cargo (a função) lhe confere. Quando você deixa esse cargo, você deixa de ter a necessidade de cumprir tal obrigação. 
Vamos por outra ótica: A sua consciência (mesmo podendo estar encarregada de algo) jamais poderá se desencarregar. Confuso? Não. Para o seu desfrute, quando alguém diz “Só por desencargo de consciência”, observe que esse alguém quer dizer que não quer ficar com o peso na consciência, portanto é preciso descarregar e não desencarregar. Portanto o bem correto é descargo de consciência.
Pergunto, sua consciência está encarregada ou carregada? E se ainda não entendeu, sua consciência está muito carregada. Xô Oxum, xô Oxalá, xô Iansã, xô Ogum, xô todos os Orixás. Mães e pais de santo de todos os terreiros acudam-nos. Vamos ao descargo, melhor: ao descarrego. Amantes da leitura como eu, no capitulo 46, de Dom Casmurro, pazes entre Capitu e Bento, Machado de Assis escreve “Podia ser um simples descargo de consciência”. 
Acabei não perguntando para a minha amiga universitária, mas tudo bem. O Magri disse imexível e o imexível se dicionarizou, o vereador disse “valorizamento” e todo mundo aceitou. Não concordou, não aprovou, mas aceitou. A Tevê Globo (na matéria das crianças trocadas) chamou o nosso Hospital Regional Albert Sabin de Hospital Albert Einstein e ficou por isso mesmo, se bem que me deu vontade de ligar e lembrar que um é o inventor da vacina contra a poliomielite (que tem mais a ver com saúde) enquanto o outro é o pai da teoria da relatividade (que tem a ver com tudo). Pensei bem e deixei quieto. Afinal, tudo é muito relativo.  

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte