Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Cheia de atitude
Letícia Colin fala das mudanças que viveu para criar a prostituta de luxo Rosa, em “Segundo Sol”
13:05   25 de Maio, 2018
23f91655a25e06b7c5945aa1e16f0b89.jpg

por Anna Bittencourt
TV Press

Letícia Colin é jovem, mas já tem experiência de fazer inveja em muita atriz veterana. Aos 28 anos, ela acumula papéis relevantes no cinema, no teatro e na tevê. E celebra a oportunidade de emendar um trabalho no outro. Desde que estreou na Globo, no seriado “Sandy e Júnior”, em 2000, ela não ficou um ano longe das telas. E, agora, ela interpreta a decidida Rosa, de “Segundo Sol”, menos de um ano depois de dar vida à Princesa Leopoldina, de “Novo Mundo”. “Os personagens me fizeram aprender sobre mim, sobre a vida, sobre a cultura. Todos me ensinaram muito, me fizeram desabrochar não só como atriz, mas principalmente como pessoa”, celebra. Apesar de não gostar de nomear um só trabalho como sendo o principal de sua vida, ela destaca a importância da última novela das seis que participou. “É uma figura histórica, importante, amada até hoje. Sem dúvida foi um divisor de águas na minha carreira”, pontua.
No folhetim de João Emanuel Carneiro, a personagem de Letícia é uma mulher forte e decidida. Com uma relação ruim em casa, ela vai à luta para conseguir ter uma vida melhor. “O pai dela é um cara extremamente machista, grosseiro com a mãe e com a irmã. Ela não aguenta viver sob aquele teto e vai atrás de se sustentar sozinha”, antecipa a atriz, citando os personagens de Roberto Bonfim, Kelzy Ecard e Nanda Costa. Por isso, Rosa acaba mergulhando no universo da prostituição de luxo ao trabalhar para Loreta, interpretada por Adriana Esteves. Mas, segundo ela, o ofício não será encarado com maus olhos por ela. “Ela vai enfrentar isso sem hipocrisia. Olha para o corpo e para a sexualidade sem julgamento e com muita coragem”, avalia.
Em meio a esse novo início turbulento, Rosa se envolve com dois importantes personagens de “Segundo Sol”. Ícaro, de Chay Suede, que também presta serviços à Loreta, e seu meio irmão, Valentim, de Danilo Mesquita – ambos filhos de Beto, interpretado por Emílio Dantas. “Ela mexe muito com os homens porque é uma figura muito sensual e não tem vergonha. Sabe e gosta desse poder e da influência que exerce”, entrega. Apaixonada por entender e conhecer suas personagens, Letícia conta que mergulhou no universo de Rosa para compreendê-la. Além de uma extensa preparação, que envolveu conhecer prostitutas de luxo e ler muito sobre feminismo, ela fez uma longa vivência com os atores que interpretam membros de sua família. “Frequentamos muito a casa um do outro, conversamos sobre tudo, fizemos longas terapias em conjunto”, diz.
Ela também precisou cuidar de sua imagem para viver uma personagem tão cheia de vida e sensualidade. Por isso, pintou os cabelos em um tom mais escuro. A mudança, no início, mexeu com ela. “Tomei vários sustos quando passava por um espelho. Mas agora estou adorando, acho que tem tudo a ver com ela”, celebra. Ela também intensificou o trabalho físico para viver a novela. “Adoro malhar, mas geralmente estou a serviço do personagem. A Leopoldina, por exemplo, não pedia o corpo que a Rosa necessita”, diz, citando seu trabalho em “Novo Mundo”. Para isso, ela conta com a orientação de um “personal trainer” duas vezes por dia. “Também melhorei muito a minha alimentação. Mas acho que isso é um processo de autoconhecimento importante. Aumentei a variedade de alimentos na minha dieta e passei a me interessar pela cozinha”, finaliza.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte