Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Taques diz que vai fazer reflexão sobre erros que o fizeram perder a eleição
Pedro Taques é o primeiro governador de Mato Grosso a não conseguir sua reeleição
12:37   10 de Outubro, 2018
e52449212e95d96b3a6bf09eba77cef5.jpg

Victor Cabral e Laíse Lucatelli
O Livre

O governador Pedro Taques (PSDB) disse, após reunião com seu secretariado na manhã desta terça-feira, 9, que vai fazer uma reflexão sobre os erros que o fizeram perder a eleição. Candidato à reeleição, ele ficou em terceiro lugar na disputa pelo governo, atrás de Wellington Fagundes (PR) e de Mauro Mendes (DEM), eleito no primeiro turno no domingo, 7.

“Não ganhamos as eleições porque não tivemos votos suficientes. Temos tempo para saber o que erramos, fazer esta reflexão, e reconhecer que o cidadão não erra. O cidadão sabe o que é melhor para o Estado e entendeu que, neste momento, o grupo do governador eleito é o melhor para conduzir o Estado de Mato Grosso”, declarou Taques, em pronunciamento à imprensa, logo depois da reunião.
“Eu sou um democrata. Não há nada melhor que a democracia. Os erros e falhas da democracia só podem ser combatidos com mais democracia”, afirmou. 
Taques, que é o primeiro governador de Mato Grosso a não conseguir sua reeleição, disse que já assinou o decreto de transição e que o coordenador de mudança por parte do Governo do Estado vai ser o atual secretário-chefe da Casa Civil, Ciro Rodolpho.
O tucano ainda informou que ligou para Mauro Mendes para parabenizá-lo e comunicar que vai disponibilizar todas as informações do Executivo Estadual à equipe de transição do futuro governador. “Disse ao governador eleito, Mauro Mendes, que estou pronto para recebê-lo aqui no Palácio [Paiaguás] na hora que ele entender ser a melhor possível”.
Taques frisou que, a partir de 1º de janeiro de 2019, será “um soldado para ajudar o Estado a superar suas dificuldades”. No entanto, não deu detalhes sobre seu futuro. “Estou há 25 anos cuidando de problemas dos outros: 15 anos como procurador da República, 2 anos como procurado do Estado, 4 anos como senador da República e, até 31 de dezembro como governador. A partir de janeiro do ano que vem terei condições de cuidar só de mim e da minha família”, disse, concluindo o pronunciamento e deixando a sala sob aplausos do secretariado.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte