Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Vida de adulto
Nicolas Prattes se equilibra entre a leveza e a complexidade do Samuca de “O Tempo Não Para”
12:32   19 de Outubro, 2018
bf9c546a40e71b9d9c48af2300ad6168.jpg

por Geraldo Bessa
TV Press

Nicolas Prattes sabe bem das exigências que envolvem um papel protagonista. Afinal, foi neste posto que ele estreou em “Malhação - Seu Lugar no Mundo”, temporada de 2015, e ainda na trama musical de “Rock Story”, novela das sete exibida em 2016. “Trato todas as oportunidades como principais. O que diferencia os personagens é o volume de texto. Por sorte, sou bem disciplinado com isso”, garante. Surpreso com o adiamento de “Verão 90” por conta do ano de eleições, Nicolas achou que fosse ficar de férias mais alguns meses quando recebeu o chamado para participar de “O Tempo Não Para”. Ao chegar na reunião com a direção da Globo, ficou sabendo da desistência de Klebber Toledo para o papel de Samuca, o jovem empresário que se apaixona por uma garota do Século XIX que foi congelada e acorda em pleno 2018. “Amei o personagem de cara. Algumas alterações no perfil do Samuca tiveram de ser feitas, pois sou mais novo do que a sinopse previa. Já saí da reunião com muito texto para decorar. Tive apenas dois dias de preparação, mas entrei de cabeça no projeto”, conta o ator de 21 anos.
Toda a empolgação de Nicolas em relação a Samuca tem razão de existir. Ao contrário dos outros papéis principais que já viveu, o ator ainda não tinha tido a oportunidade de interpretar um tipo mais adulto. Na trama assinada por Mário Teixeira, apesar dos 20 e poucos anos, Samuca é um empresário bem-sucedido no ramo de tecnologia ambiental e totalmente engajado em causas sociais. “Ele vive para trabalhar e pensa no bem-estar das pessoas. Até começar as pesquisas para a novela, minha única forma de pensar o meio ambiente era não jogar lixo no chão. Esse papel é uma grande inspiração”, conta. A faceta empreendedora de Samuca foi uma espécie de dever de casa para o ator. Dono de um salão de beleza, que é “tocado” pelos pais, Nicolas passou a frequentar mais o ambiente e a lidar com o cotidiano de serviços e funcionários. “Comecei a acompanhar melhor questões práticas como pagamentos, lucros, filtrar problemas e pensar em soluções. Foi um processo legal e que me ajudou a sair da zona de conforto”, analisa.
No processo de preparação, uma característica acabou criando um elo entre ator e personagem: o surfe. Porém, Nicolas teve de intensificar suas idas à praia para dispensar os dublês nas cenas mais simples de “O Tempo Não Para”. “Surfo desde os 12 anos, mas só aos finais de semana. O Samuca é profissional. Hoje em dia, dependendo do roteiro e do tempo, pego minha prancha e vou praticar. Não tem esforço, o surfe é uma terapia”, acredita. Mesmo sendo uma das últimas escalações do folhetim, Nicolas rapidamente conseguiu criar uma sintonia fina com o resto do elenco. Principalmente, com Juliana Paiva, intérprete da destemida Marocas. A conexão foi tão forte que o envolvimento ultrapassou os Estúdios Globo. Atualmente, Nicolas se diverte com a torcida do público para que o casal também se acerte na ficção. “Foi entendimento dentro e fora de cena. O público vibra junto”, despista.
Carioca e torcedor do Botafogo, Nicolas apareceu pela primeira vez na tevê em “Terra Nostra”, aos 3 anos de idade. “Foi uma participação bem pequena no último capítulo da novela. Minha mãe é atriz, sempre me levava nos testes dela e acabou surgindo essa oportunidade”, lembra, citando Giselle Prattes, que começou a carreira como Garota do Zodíaco do “Planeta Xuxa”. Após a breve estreia, a vida de Nicolas se dividiu entre as aulas de atuação e o sonho de ser jogador de futebol. As Artes Cênicas acabaram se destacado após ele ser aprovado para viver o mocinho de “Malhação - Seu Lugar no Mundo”. Para o ator, o momento é de total foco na criação de sua carreira. Com três trabalhos de destaque no período, ele comemora os convites que estão aparecendo. “Na televisão, uma coisa leva à outra. Fiquei com o Samuca porque me esforcei muito em 'Rock Story'. O que preciso agora é ganhar repertório e experiência. Estou apenas começando”, garante.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte