Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Cadê o Futebol de Alta Floresta? Sumiu?
O que falta para Alta Floresta voltar ao futebol de Mato Grosso? Não falta nada e falta tudo
12:25   14 de Dezembro, 2018
bf7dfd58c0a6b4ef5663e8628be65541.jpg

Não falta nada porque: 1.º - ela tem um estádio excelente, o Maestrinho, pronto até para a 1.ª Divisão; 2.º
Juara, com 33.851 habitantes, acaba de entrar para a 1.ª Divisão do Futebol de Mato Grosso. Poconé, com 32.241 habitantes e cidades do mesmo porte, também estão na 1.ª Divisão.
Alta Floresta, com cerca de 70.000 habitantes, com um progresso fenomenal, uma das principais cidades de Mato Grosso, com um estádio prontinho que cidades da 1.ª Divisão não têm, Alta Floresta, digo eu, não está:
“Nem na 1.ª Divisão do Futebol de Mato Grosso; nem na 2.ª Divisão; nem na 3.ª Divisão e nem em divisão nenhuma”.
Como altaflorestense (de coração) e como homem que tem vergonha na cara, fico corado mas tenho que dizer:
“Em futebol, faz, tempo, Alta Floresta sumiu!...” E, pior, não dá sinal de que vá aparecer tão cedo!
Nos domingos e feriados, ao povo de Alta Floresta, o que o poder público oferece como lazer ou distração? Nada! Até a Praça Cívica o poder público, isto é, a ex-prefeita Maria Izaura tirou. E imagine, num domingo ou feriado, o povo de Alta Floresta assistindo e torcendo no Maestrinho cheio... Sobretudo para o cidadão humilde das periferias seria o lazer ideal, um sonho. Aliás, as notícias dos numerosos campeonatos de futebol de Alta Floresta, estampados diariamente nos jornais e rádios da cidade, confirmam não só a intensidade e vitalidade do futebol de Alta Floresta mas sua maturidade para entrar nas divisões do Futebol do Estado de Mato Grosso.
Mas, prezado (a) Leitor (a), o que é que falta para Alta Floresta voltar ao futebol de Mato Grosso?
Não falta nada e falta tudo.
Não falta nada porque: 1.º - ela tem um estádio excelente, o Maestrinho, pronto até para a 1.ª Divisão; 2.º - tem vários times, chamados de Várzea, de primeira qualidade e com modelar campo de futebol, como o do São José Operário; 3.º - tem uma população de 70.000 habitantes, líder de um Nortão de quase meio milhão de habitantes; 4.º tem um povo, com caráter e entusiasmo capaz de plantar e cultivar futebol de primeira classe.

O que nos falta?
Só uma coisa: “Um homem!”
Há pouco, eu falava que, em Alta Floresta, para os arranha-céus aparecerem, faltava um homem. Logo depois, apareceram o Dr. Marcelo e, depois, o herói do prédio de catorze andares da Avenida do Aeroporto, que não sei direito se é do Casari, ou do Abud, ou dos dois juntos. O mesmo, o povo de Alta Floresta e eu esperamos acontecer com o futebol de Alta Floresta.
Contudo, já de início, uma distinção e uma ideia que precisa ficar clara: “Ninguém pode, no começo, querer levar logo o futebol de Alta Floresta para a 1.ª ou 2.ª Divisão”. Tudo, na natureza e no futebol também, começa pequenino e de modo humilde. A soberba, ensina a Bíblia, não leva a nada de bom.
Esse herói, esse Messias a aparecer em nosso futebol deve ter, pelo menos, três qualidades: 1.º- ter dinheiro, ser um fazendeiro ou um empresário de dentro ou de fora de Alta Floresta; 2.º- gostar de futebol; 3.º - ter amor à cidade e ao povo de Alta Floresta.
Hoje, é fantástico e emocionante a gente ver o que está acontecendo com alguns líderes, ou empresários ou fazendeiros, de Alta Floresta. É incrível a grandiosidade de alguns empreendimentos que eles trazem e realizam aqui. Às vezes, nem são de Alta Floresta. Vou tomar, como exemplo, uma realização, o Loteamento Buriti. E fico mais a gosto em citar este empreendimento porque nem sei o nome do proprietário do terreno; nem sei se ele é de Alta Floresta. Este homem — notar, prezado(a) Leitor(a), é um “homem” — não para de fazer ali, sozinho, uma linda e nova cidade: limpinha, toda asfaltada, iluminada, bem sinalizada, com toda a infraestrutura e cada vez mais cheia de casas novas, modernas e dignas de qualquer capital. Um verdadeiro milagre! Há meses, eu me pergunto: “Donde vem tanta gente, tanto dinheiro e em tão pouco tempo?!...” “Como se vê, crise, em Alta Floresta, se existe é de crescimento!”  
Ora, se isso acontece com um “homem” de empreendimento em Alta Floresta, por que não pode acontecer também com um “homem” para o futebol de Alta Floresta?

Professor Dr. José Antonio Tobias, diretor da Faculdade de Alta Floresta
Email:marcos@faflor.com.br

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte