Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Artista inglês revela estátua em bronze de Ayrton Senna em tamanho real
aul Oz criou uma obra que representa o tricampeão brasileiro saindo da Eau Rouge e entrando na Radillon em Spa-Francorchamps. Estátua pesa 160kg e está em exposição na Inglaterra
13:28   11 de Janeiro, 2019 - Fonte: G1 - globo esporte
69abd4c09c185a30db31a962bdccb95d.jpg
Foto: Divulgação

Ayrton Senna é certamente um dos nomes mais celebrados entre os pilotos da Fórmula 1. Entra ano, sai ano e o tricampeão brasileiro segue recebendo todo tipo de homenagem ao redor do mundo. Desta vez, quase 25 anos após o acidente fatal na Tamburello, o pintor e escultor inglês Paul Oz resolveu homenagear o ídolo com uma estátua especial. Toda feita em bronze, a peça representa Senna saindo da Eau Rouge e entrando na Radillon, em Spa-Francorchamps. A estátua pesa 160kg e está em exposição no Autosport International Show, em Birmingham, na Inglaterra.

Durante o ano, Oz criará uma edição oficial aprovada pelo Instituto Ayrton Senna de três esculturas em tamanho real para marcar o tricampeonato mundial de Senna na Fórmula 1. Serão feitas também 41 estátuas em um tamanho menor, representando as vitórias do brasileiro na categoria máxima do automobilismo. Além disso, serão feitas 106 versões da obra em pintura acrílica de 30cm de comprimento, marcando todos os GPs disputados por Ayrton. Duas das estátuas de bronze serão doadas para que o Instituto leiloe, enquanto parte do valor das vendas será destinado para caridade.

O processo

Fã de Senna, Oz usou de uma técnica, no mínimo, curiosa para iniciar a construção da escultura. Dono de um acervo que inclui peças como um capacete pintado na oficina de Sid Mosca e uma réplica do macacão de McLaren de 1991, o inglês decidiu que ele mesmo seria o modelo para a obra. Da mesma altura e com o mesmo número de calçado de Ayrton, ele se vestiu como o ídolo e serviu como molde para o que viria a se tornar a escultura.

- Então eu estava adotando a pose para ser fotografado... e manter essa posição por alguns minutos é com certeza o primeiro sofrimento real que eu já fiz pela minha arte. Quanto mais nós tivemos que voltar a filmar, tentando manter uma posição completamente estática em um determinado ângulo, mais comecei a tremer. Precisávamos fazer várias e várias vezes, até que a maioria das 400 imagens se encaixasse com precisão - comentou.

 

 

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte