Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Suplente assume vaga na Assembleia Legislativa e ganha imunidade parlamentar
Romoaldo Júnior, 1º suplente, assume vaga deixada por Allan Kardec
12:02   08 de Fevereiro, 2019
1a00c476ec047deaefd381aad87c25de.jpg

Reportagem
Mato Grosso do Norte

Derrotado na tentativa de reeleição para deputado estadual e respondendo por diversas investigações do Ministério Público, O suplente de deputado Romoaldo Junior (MDB) assumiu a vaga do deputado Allan Kardec (PDT), na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira, 6.  Romoaldo ganha fôlego graças ao apadrinhamento do deputado federal Carlos Bezerra e o senador Jayme Campos (DEM), que articulou com o governador democrata Mauro Mendes, para ele assumir a vaga e ganhar imunidade parlamentar.
Atendendo Bezerra e Jayme Campos, Mauro deu a Secretaria de Cultura, Turismo, Esportes e Lazer para o deputado pedetista reeleito, Allan Kardec, abrindo espaço para Romoaldo.  
Kardec e Romoaldo disputaram pela mesma coligação, que era engrossada pelo DEM, PSC, PMB e PSD. Kardec cravou 18.627 votos. Romoaldo obteve 18.467 votos Mato Grosso e assume seu 6º mandato garantindo continuar a luta em defesa dos municípios, especialmente, nas áreas de saúde, reforma agrária, agricultura familiar.
“Essa é a nossa meta para continuar trabalhando. A Assembleia Legislativa mudou bastante e dá uma estrutura muito boa para os deputados realizarem o trabalho no estado inteiro. Vamos levantar essa bandeira e ajudar o governador Mauro Mendes a buscar investimentos. Pois, nos últimos quatro anos faltaram investimentos no interior, é o caso dos setores da infraestrutura e saúde. Mato Grosso é um gigante e o governo não consegue sozinho, precisa da Assembleia Legislativa e estaremos aqui com essa bancada apoiando o governador e a sociedade mato-grossense”, disse Romoaldo.

Apesar de estar na ativa, Romoaldo é um dos muitos deputados e ex-deputados, que além de salário, são aposentados recebendo valor equivalente ao de deputado. A aposentadoria é concedida Fundo de Assistência Parlamentar (FAP).
Um dos motivos que levaram os padrinhos de Romoaldo a se esforçarem para que ele assumisse o cargo na Assembleia Legislativa, é o risco real de, sem a imunidade parlamentar, ele ir parar atrás das grades.
Dentre outros problemas Romoaldo convive com a denúncia do ex-deputado estadual José Riva, que o acusou de receber mensalinho na Assembleia, quando Riva a presidia. O Ministério Público o acusa de pertencer a organização criminosa que teria desviado mais de R$ 30 milhões do Detran. E seu ex-chefe de gabinete, Francisvaldo Mendes Pacheco, foi preso acusado de formação de organização criminosa, peculato e lavagem de dinheiro.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte