Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Voto contra na votação das contas da prefeita gera suspeitas em Carlinda
Ninguém sabe quem é um dos vereadores que votou contra as contas
13:03   18 de Março, 2019
21d195c084fc63c8605e74b74b02b6d5.jpg

Reportagem
Mato Grosso do Norte

A votação das contas anuais da prefeita de Carlinda, Carmem Martines (DEM) relativa ao exercício de 2017, continua rendendo polêmica. Apesar de o projeto [que veio com parecer favorável do Tribunal de Contas] ter sido aprovado com 7 votos favoráveis e apenas 2 contra, até agora ninguém sabe de quem foi um dos dois vereadores que votou contrário.
Apenas dois vereador não declararam o voto que foram os vereadores Manoel Miranda (PR), que já assumiu que votou contra a matéria, e o vereador Joãozinho do Jornal, que não declarou o voto, mas que votou a favor da aprovação.
Diante do resultado da votação, uma grande suspeita teve início no cenário político do município de Carlinda, com muitas indagações de quem poderia ser o vereador que votou contra as contas da prefeita.
O vereador Paulo Prado (DEM) disse que, os principais suspeitos são ele e o presidente da Câmara, Robério Alencar. No entanto, ele afirma que votou a favor da matéria e declarou seu voto na hora da votação.
Prado observa que pelo fato dele ter votado a favor das contas de 2014 do ex-prefeito Geraldo Ribeiro, e tinha uma animosidade por parte da administração, está havendo desconfiança contra ele. No entanto, ele desvincula uma situação da outra. “Existia aquela coisa da gestão atual combater a anterior. Mas votei a favor, na oportunidade, porque as contas vieram com parecer favorável do Tribunal e para acabar com a rixa. Agora, hora de votar as contas da prefeita, fiz críticas, mas declarei meu voto a favor. Fica chato porque todo mundo quer saber quem foi!”, Disse o vereador.
Sobre o presidente da Câmara, Robério Alencar (PSDB), sobre o qual também recaem suspeitas, segundo Paulo Prado, Paulo observa que ele tem um histórico de posicionamentos dúbios e sua ligação com o ex-prefeito Geraldo Ribeiro, o mque motivam as suspeitas. “O Robério uma hora se posiciona de um jeito, depois muda, tem esse histórico, mas ele jura que não votou contra. Então, fica essa dúvida. O vereador Joãozinho, mesmo sem declarar o voto, jamais votaria contra porque é da base da prefeita”, acentua o vereador.

 Todavia, o democrata afirma que existem também outras suspeitas pairando no ar, que seria alguém da base da própria prefeita ter votado contra, apenas para jogar suspeitas sobre os vereadores de oposição. “Também existe a possibilidade de alguém da base ter votado contra apenas para jogar suspeitas sobre a gente. O próprio líder da prefeita, vereador Nelo, é contra a gente. Ele declarou que seria bom que tivesse dado pouco votos a favor, que 4 votos estava bom. Mas jamais faria essa manobra e não quero julgar ninguém”, assegurou.

 “O clima ficou muito ruim e é uma situação chata. Mas estou com a consciência tranquila. Acho que seria uma falha de caráter alguém declarar o voto a favor e depois votar contra. Porém, todos gostariam muito de saber quem votou contra. A princípio achei que poderia ser o vereador Luiz Antônio, mas ele foi relator do projeto e seu parecer foi favorável. Tenho percebido que a prefeita olha para mim com desconfiança", diz.   
Para o vereador, esse clima de suspeita que a prefeita enceta contra ele e o presidente, acaba atrapalhando o município. Na opinião dele, se houver um alinhamento político, da prefeita, vereadores e a comunidade, fica mais fácil trabalhar e ir buscar os recursos para o município. 
“Eu quero trabalhar junto com ela [a prefeita]. Ela precisa, não está almejando futuro político, trabalha certo e é cuidadosa com os recursos. É um pouco agressiva, tem aquele jeito, mas me entendo com ela. Ela desconfia que fiz uma trairagem, que falei de um jeito eu votei de outro. Mas entendo e se tivesse no lugar dela, também desconfiaria. Mas quero trabalhar com ela, próximo da administração, para ela atender as ações que a gente indica. Por esta parte vai atrapalhar muito, porque não posso obrigar ela confiar em mim e a ter certeza que votei favorável, mesmo que os dois votos contra não façam a menor diferença”, lamenta Paulo.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte