Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Sem rotina
No elenco do “Tá no Ar: A TV na TV”, Renata Gaspar valoriza crescimento artístico ao longo das temporadas
12:43   26 de Abril, 2019
ede1b716673a825cf8d61b27512717f1.jpg

POR CAROLINE BORGES
TV PRESS

A diversidade marcou o trabalho de Renata Gaspar em “Tá no Ar: A TV na TV”. Enquanto integrou o elenco do humorístico, a atriz não teve um dia igual ao outro. Tudo isso porque, ao longo das temporadas, ela interpretou uma série de personagens diferentes. Em um único dia de trabalho, ela vivia nos esquetes uma freira e, logo depois, se caracterizava para interpretar uma índia. “Aprimorei essa agilidade para entrar na mentalidade de personagens tão diferentes. Você tem de estar sempre de prontidão e disponível para a próxima cena. Tudo isso em pouco tempo. Tem de trabalhar um desapego e entender que a piada é o principal. Somos apenas parte da orquestra”, explica. Antes de estrear na última temporada da produção encabeçada por Marcius Melhem e Marcelo Adnet, Renata também protagonizou a série “Pais de Primeira”, que mostra um casal às voltas com o nascimento da primeira filha. Ainda este ano, a produção ganhará uma segunda temporada. “É uma série que dá voz a essa nova geração de pais que está se formando. Mostra que maternidade não é só uma maravilha, tem coisa barra-pesada. A série fala de muitas coisas, como dividir tarefas e feminismo”, elogia.
Aos 33 anos e natural de São Paulo, Renata começou na carreira artista durante a adolescência. Quando jovem, a mãe inscreveu a atriz em curso de teatro por achá-la bastante performática. “Minha mãe falava que eu era muito engraçada e ficava fazendo uns personagens. Fiz curso profissionalizante dos 14 aos 17 anos. A minha família sempre compreendeu muito bem a minha escolha profissional”, ressalta Renata, que emendou uma série de trabalhos ao longo da carreira. “Sempre me entreguei por completo nos projetos que participei e acredito que isso me fazia sempre ser chamada para um novo trabalho”, completa
P – Você integrou o elenco do “Tá no Ar” desde a primeira temporada. Como você analisa a sua participação no humorístico desde a estreia?
R – É um programa muito emocionante e que acompanhou a nossa trajetória na Globo. Foram quatro anos e seis temporadas. Formamos uma família. A gente se vê todo dia, assiste aos episódios juntos. Vai ser estranho quando tudo acabar. Mas, ao mesmo tempo, fui uma das entusiastas que achava que o programa tinha de acabar. Tudo tem sua a hora e, talvez, a gente acabasse perdendo o “timing”. Vamos acabar em um ponto alto. Outras coisas precisão vir para nos renovarmos. Essa temporada final está bem especial. 
P – Como assim? 
R – O “Tá no Ar” sempre vem com o pé na porta. Fala tudo na cara. No entanto, nessa temporada, a gente pensou em trazer uma leveza para as pessoas também. Acho que isso é necessário nesse momento que estamos vivendo. Estamos sempre em guerras e discussões. É um momento delicado de se mexer em alguns lugares. Essa temporada é gostosa para rir e lembrar.
P – No final do ano, você esteve no ar na série “Pais de Primeira”. Como foi a repercussão desse projeto?
R – Muitas mães falavam comigo nas ruas. É uma série que todo mundo se identifica. Tem prazer em assistir, se emocionam e dão risada. É uma comédia romântica. No início, não sabíamos como seria o formato final porque, inicialmente, era um projeto para as noites de terça, mas acabou indo para as tardes de domingo. Isso fez o programa ficar com uma estética mais terna, amorosa e fofinha. Acho que fez sucesso porque falamos da maternidade de um jeito sério, mas realista e engraçado. Tem humor e leveza.
P – Você já declarou que não pensa em ser mãe. A série chegou a influenciar ou repensar essa sua decisão?
R – Não me animou. Não tenho nada contra ter filhos, vivi uma experiência maravilhosa na série, mas, para a minha vida, não pretendo ter. As pessoas ficam um pouco assustadas quando falo isso. É uma coisa que não é muito questionável na sociedade. Parece que a mulher nasceu para ser mãe e só será feliz com um filho. Tem gente que não nasceu para ser mãe. Na série, a gente retrata isso através da personagem da Heloísa Pérrisé. Mas foi muito legal representar esse lado da maternidade e ter um olhar de dentro.
P – Com o fim do “Tá no Ar”, você já tem novos projetos profissionais engatilhados?
R – Por enquanto, na emissora, vou fazer a segunda temporada de “Pais de Primeira”. Nessa nova leva de episódios, vamos falar da volta da mulher ao mercado de trabalho e como criança entra na creche. Vamos retratar bem isso.

“Tá no Ar: A TV na TV” – Globo – Terça, às 23h15.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte