Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Pandemia de peste suína se agrava e pode se tornar problema global
Apesar de oportunidade para exportadores, toda a cadeia está atenta à ampliação do contágio
12:43   29 de Abril, 2019
b5d63c5e38ed7e3b13fcdee92dddaec2.jpg

Carla Mendes
Notícias Agrícolas

A peste suína africana que já dizimou milhões de suínos na China, país que conta com o maior plantel mundial. A doença já se alastrou por toda a nação, vem se agravando e já acomete também outros países da Ásia, como Vietnã, Japão, Mongólia, Camboja. Partes da Europa também já registram casos.  
Com a possibilidade de chegar aos EUA, especialistas já fazem levantamentos dos impactos para o país. Um estudo do professor de economia Dermont Hayes, da Universidade Estadual de Iowa, mostra que no primeiro ano de um surto da doença em território norte-americano causaria uma perda financeira de US$ 8 bilhões para produtores de carne suína, US$ 4 bilhões para a indústria do milho e US$ 1,5 bilhão para a soja. 
No Brasil, o Ministério da Agricultura também alinhou seus trabalhos e intensificou as medidas para evitar o ingresso do vírus no país. 
"As ações de fiscalização foram intensificadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para evitar o ingresso no país do vírus da Peste Suína Africana (PSA), que afeta o rebanho chinês.A vigilância agropecuária internacional é de suma importância para proteger o rebanho brasileiro, observou o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, José Guilherme Leal", disse uma nota da pasta.
As mudanças causadas pela epidemia são bastante profundas e os impactos causados ainda podem levar anos para serem revertidos. A indústria de carne suína chinesa já sente severamente o quadro, uma vez que desde agosto de 2018 já foram abatidos mais de 1 milhão de animais, de acordo informações do escritório de veterinário do Ministério de Agricultura e Assuntos Rurais da China.
O número de matrizes já apresenta um recuo de 21% em março se comparado ao mesmo mês do ano passado, o que irá acarretar em problemas futuros. Do mesmo modo, somente na primeira semana do mês de março os preços da carne suína subiram 2,1% em relação ao mesmo período de 2018. Na primeira semana de abril, porém, a alta já doi de 36%. 
A carne suína é mais consumida da China. O país vive o ano do porco em 2019, segundo o calendário lunar muito importante para os chineses e todos os fatores convergem para preços cada vez mais altos frente a estoques cada vez mais ajustados. Afinal, além das mortes de animais já contabilizadas, o país enfrenta dificuldades em controlar a peste e mais de 70% dos produtores têm evitado recompor seus rebanhos. 

Atualmente, quem já exporta carnes para a China são as cinco gigantes dos alimentos no Brasil, no entanto, ainda como explica o executivo, para atender toda essa demanda da nação asiática, o Brasil precisará ter seus frigoríficos menores também habilitados. "Quem conseguir essa habilitação terá grandes oportunidades. Isso, depois de alguns problemas enfrentados, poderá oxigenar todo o setor. E este é um setor de margens estreitas, que pode ver uma melhora com esse cenário".

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte