Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Prefeitos ameaçam entrar com ação para cobrar repasses atrasados do hospital regional
Prefeitos vão marcar audiência para expor problema ao governador Mauro Mendes
15:36   03 de Maio, 2019
0964ca0d88c28e9d49b1ab482658ccac.jpg

José Vieira do Nascimento
Editor Mato Grosso do Norte

Os prefeito dos municípios que integram o consórcio Intermunicipal de Saúde da região de Alta Floresta, Vale do Tapajós, integrados pelos municípios de Alta Floresta, Carlinda, Paranaíta, Apiacás, Nova Monte Verde e Nova Bandeirantes, ameaçam entrar com uma ação contra o governo do Estado, para cobrar os pagamentos dos repasses atrasados do Hospital Regional.
O consórcio tem como presidente o prefeito de Paranaíta, Tony Rufatto (PSDB), que alega que o governo tem que fazer a sua parte, de pagar os salários dos médicos e os fornecedores, que é sua obrigação. Segundo ele, a ação já está pronta para ser levado à justiça, mas a maioria dos prefeitos, em reunião, segunda-feira, acharam por bem, marcar uma audiência com o governador Mau
“Conforme for a resposta do governador, será tomado um rumo definitivo para se resolver de uma vez por toda esta situação. Nossa região tem mais de 120 mil pessoas e não é justo que o hospital feche por falta de pagamento, que é um dever do Estado. O Estado recebe do governo federal R$ 1milhão e 300 mil e nem este dinheiro é repassado para pagar o hospital. Saúde é obrigação dos governantes. Vamos comunicar o Ministério Público e o Judiciário, e assim como os municípios tem que cumprir a lei, o Estado também terá que cumprir”, assevera Tony Rufatto. 
Segundo o prefeito, o governo estava há 4 meses sem pagar o hospital e agora pagou apenas dois meses. 
Esta situação, conforme ele, tem levado ao cancelamento de cirurgias depois que os pacientes fazem todos os exames. 
“Depois de tudo pronto, o paciente chega no hospital e não e possível fazer a cirurgia porque não tem recurso ou porque o profissional está desmotivado porque não recebe o salário. Isto ocasiona em prejuízo para o município porque os exames terão que ser feitos novamente.  Espero que o governador nos receba e resolva o problema de nossa região”, enfatizou o presidente  do Consórcio. 

 

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte