Jornal MT Norte
Publicidade
         
                
Além de tramar morte do pai com irmão, filho de Flordelis participou de execução de pastor
Segundo fontes da investigação, Lucas dos Santos, 18 anos, confessou que matou o pastor e acusou de ser o mandante o irmão Flávio dos Santos Rodrigues, 38 anos, filho biológico de Flordelis. A motivação seria um caso extraconjugal de Anderson do Carmo
17:39   18 de Junho, 2019
8363342368cba422ce9f80ff4e1b9f22.jpg

Por RAFAEL NASCIMENTO

 

A Polícia Civil aponta que, além de tramar a morte do pai adotivo, o pastor Anderson do Carmo, Lucas dos Santos, de 18 anos, participou efetivamente da execução, ocorrida na casa da família em Pendotiba, Niterói. Segundo fontes da investigação, o jovem confessou que matou o pai e acusou de ser o mandante o irmão Flávio dos Santos Rodrigues, 38 anos, filho biológico da deputada federal Flordelis, de encomendar o crime. A motivação seria um caso extraconjugal da vítima e os dois foram presos por outros crimes.

Várias equipes da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) estão dividas na investigação para concluir o mais rápido possível o caso. A quebra do sigilo telefônico dos envolvidos foi solicitada à Justiça para reforçar as investigações. As câmeras de segurança da casa do casal mostram nitidamente os assassinos de touca ninja matarem o pastor. "Eles não eram criminosos profissionais, diante do modus operandi do crime", diz uma fonte.

Lucas dos Santos foi adotado por Floderlis e Anderson. Ele foi preso no domingo depois de descumprir medida protetiva domiciliar por envolvimento com tráfico de drogas, quando ainda era menor de idade. Como não havia se apresentado ao Fórum, teve um mandado de prisão expedido. 

Já Flávio é filho biológico da deputada, mas foi registrado também pelo pastor. Ele foi preso no cemitério logo após o sepultamento do pai adotivo devido também ao descumprimento, mas de uma medida protetiva determinada em janeiro deste ano. 

Existe a possibilidade dos cães não terem sido dopados, o que deve ser confirmado nesta terça-feira, quando sai laudo do exame toxicológico. Os animais podem não ter reagido por conhecerem os participantes da execução.

Agentes da DHNSGI estão nas ruas em busca de outros participantes do crime, entre eles um outro filho de Anderson do Carmo e Flordelis. Também estão marcado para hoje outros depoimentos de filhos do casal. Sem cravar a conclusão, a delegada Bárbara Lomba reforça que o pastor foi executado.

"Pelo que apuramos, no crime, não investigamos latrocínio. Não foi possível ao perito legista confirmar as lesões de entrada e saída das balas, exceto de uma perfuração na cabeça", disse. Ela também falou sobre as imagens do crime: "são ótimas".

Fontes ouvidas pelo DIA afirmam que a defesa dos filhos de Flordelis pensam na possibilidade de defender os suspeitos com a alegação de crime passional. Nesta segunda-feira, após ser preso, a advogada de defesa da família chegou a falar nesse sentido.

"Sobre desavença, não tenho essa informação. Se tivesse acontecido isso, eu saberia. Eu desconheço desavença, mas eu não posso dizer se tinha ou não. Foi um caso brutal que leva-se a essa especulação. Digamos que fosse um crime passional, acho que não tinha desavença. Não sei detalhes da perícia, pois depois que a Flordelis saiu daqui eu não voltei mais", falou Luciene Diniz Suzuki.

Após a prisão do filho no cemitério, Flordelis rechaçou a participação dele no caso: "Isso é uma grande mentira, uma inverdade. É especulação. Não vou permitir que ninguém acuse nenhum dos meus filhos sem ter provas", reclamou.

Afirmação do governador

Nesta segunda-feira, o governador do Rio, Wilson Witzel afirmou que a polícia trabalha com a hipótese de envolvimento de um dos filhos do casal. "Estive (no domingo) com o secretário de Polícia Civil e ele me disse que há suspeita de que um dos filhos adotados, não sei se formalmente ou informalmente, teria praticado o crime. Agora, está nessa linha de investigação. É um fato lamentável e espero que tudo seja rapidamente esclarecido. Vamos acompanhar a investigação", disse.

 
COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte