Jornal MT Norte
Publicidade
Cadê os R$ 21 milhões?
Se a prefeitura de Alta Floresta recebeu R$ 21 milhões e investiu apenas R$ 3 no enfrentamento da pandemia, onde está este dinheiro?
17:04   29 de Abril, 2021
fd245c5c913c4c04ebe7051408439927.jpg

José Vieira do Nascimento

Não é afirmação é nem acusação. Mas um direito da população de Alta Floresta ter acesso a uma resposta esclarecedora, transparente e verdadeira sobre os R$ 21 milhões que a administração anterior recebeu em 2020, de recursos do governo federal, sendo R$ 8 milhões exclusivos para o covid-19 e mais R$ 13 milhões que também poderiam ser investidos no enfrentamento da pandemia. Porém, o ex-gestor gastou apenas R$ 3 milhões com a crise sanitária, deixando no âmbito das finanças da gestão, um ambiente com fortes vestígios de obscuridade.  
Esta afirmação foi feita por um dos membros da equipe do novo prefeito em um pronunciamento oficial. A gestão passada, segundo um secretário que atualmente administra as finanças municipais, revelou que o dinheiro foi usado para pagar a folha dos servidores e despesas triviais. Supostamente, não precisa ser PHD em matemática para denotar que este balancete não fecharia sem uma boa maquiagem nos dígitos. 
Desde 2008 as prefeituras brasileiras não receberam tantos recursos como em 2020 quando foi deflagrada a pandemia do coronavírus. Ficaram de cofres abarrotados de dinheiro enviados extraordinariamente pelo governo federal. E isto não sou eu quem estou afirmando, cada cidadão pode buscar esta informação e verificar quanto seu município arrecadou neste período.
Portanto, cabe muito bem uma pergunta: Alta Floresta teve superavit na arrecadação e mesmo assim, usou o dinheiro que deveria ter investido na pandemia para pagar o funcionalismo. Se não tivesse recebido este recurso extra, não teria pagado os funcionários?
É, no mínimo suspeito e há evidências de indícios. Por outro lado, não basta aos gestores atuais, apenas trazerem à luz esta informação sem esclarecer para a sociedade como este dinheiro foi gasto. Houve negligência, omissão, descaso, malversação ou todos estes ingredientes juntos?
Quando nos deparamos com este quadro desolador da pandemia, de tantas vidas   perdidas, atendimento precário, denúncias, falta de profissionais e de medicamentos, se torna imprescindível uma investigação, que estas vísceras sejam abertas. Com todo este volume de recursos, a gestão sequer comprou medicamentos para as pessoas que se infectaram. Os pacientes saiam do atendimento [quando eram atendidos] com uma receita dos remédios protocolares, que em média, custão R$ 700,00 nas farmácias. 

Porque se gastou tão pouco no enfrentamento da covid, se o que não faltaram foram alertas dos cientistas sobre o agravamento da pandemia? 
É por estas dúvidas que a sociedade tem o direito de ter uma resposta. O cidadão merece, pelo menos, que o poder público seja transparente em suas ações. 
Se a prefeitura tivesse investido a metade deste dinheiro, cerca de R$ 10 milhões, nos 60 leitos clínicos para pacientes de covid que estão hoje no hospital privado, estes poderiam ter sido implantados pelo município e a população estar sendo atendida. Talvez tenha sido apenas um equívoco de decisão dos gestores do passado. 
Porém, negligência e omissão na gestão pública são crimes. E corrupção também!  
Desta forma, os representantes políticos do município, que se dizem compromissados com os interesses da população, tem a responsabilidade de dar uma resposta sobre estes 21 milhões ou estarão sendo coniventes.
Via de regra, cabe a este caso, uma auditoria séria, isenta e lícita, acompanhada por representantes do Ministério Público e do Poder Legislativo, para apurar se houveram ou não ilícitos. 
Se for o caso, encaminhar o relatório final para a justiça. Caso esteja tudo conforme as probidades administrativas, se esclareceriam todas as dúvidas da população. Do contrário, lugar de larápios de dinheiro público é na cadeia.  
Estou parafraseando alguém... Mas todos nós sabemos que a corrupção mata, que os corruptos são cruéis, insensíveis. A corrupção destrói vidas e sonhos. Será que é normal todos se calarem diante de uma latente evidência de mal uso de dinheiro público, principalmente nos dias tristes e sombrios que vivemos atualmente?
A política deve ser preconizada por agentes públicos intransigentes na defesa da verdade e que não permitam que sujeira seja levada para embaixo do tapete. O político que está ao lado dos interesses da sociedade não é leniente com as atitudes que não são republicanas. 
Você cidadão de Alta Floresta, que sonha com um município progressista, com uma cidade bonita e administrada com responsabilidade, exerça sua cidadania! Não se cale e não se acovarde diante de evidencias nefastas.  
Quando os bons se calam, quem comanda o jogo são os corruptos, os ladrões dos sonhos das crianças, dos que desviam o dinheiro da merenda escolar e das obras estruturantes que deveriam melhorar a cidade que vivemos. 
Temos o direito de saber de forma clara, honesta e transparente, onde estão os R$ 21 milhões que a prefeitura de Alta Floresta recebeu do governo federal em 2020!
Os políticos que se omitem, os que camuflam a verdade são os traidores do povo! 

José Vieira do Nascimento é editor de Mato Grosso do Norte. Email: mtnorte@terra.com.br


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte