Jornal MT Norte
Publicidade
AF registra 101 mortes por covid-19
Município chega ao final do mês de abril mais de 100 mortes e 6912 casos acumulados, conforme dados da secretaria municipal de Saúde
09:04   30 de Abril, 2021
91db02a1cb5c1c6178a1dcfdd7b9fed4.jpg

Reportagem
 Mato Grosso do Norte

A pandemia do coronavírus começou a assustar a população de Alta Floresta no dia 4 de abril de 2020, com a confirmação do primeiro caso da doença no município. Tratava-se de uma mulher de pouco mais de 30 anos que foi infectada em Cuiabá, onde esteve para uma consulta médica no início do mês de março. No entanto, a confirmação só foi divulgada pelas autoridades de saúde do município no dia 4 de maio. A paciente reagiu bem e teve boa recuperação. 
Com a confirmação do caso, o então prefeito de Alta Floresta à época, assinou um decreto, determinando que toda a população passasse a usar máscara para como medida de prevenção.
Antes, um outro decreto havia determinado o fechamento do comércio e suspendido as aulas nas escolas públicas e particulares. Após uma cobrança da classe empresarial, foi autorizado a reabertura das empresas com a determinação que fossem implementadas medidas de prevenção para evitar o agravo da pandemia. 
A primeira morte por covid -19 aconteceu no dia 20 de maio de 2020. O Sr. Antônio Machado Jesus, de 76 anos, um presidiário que cumpria pena na cadeia pública foi a primeira vítima da covid -19 em Alta Floresta. A ficha médica do paciente revelou que ele sofria de doenças pulmonares crônicas e era hipertenso. 
Desde então, a crise sanitária teve um quadro de agravamento e os números de pessoas infectadas foi exponencial. Porém, com menos letalidade do que a verificada a partir de 2021, com a segunda onda da doença. Até no dia 14 de julho de 2020, Alta Floresta havia registrados 244 casos acumulados, 35 casos ativos, 203 casos recuperados e apenas 6 pacientes haviam evoluído para óbito. 

O ano de 2020 fechou com a população acreditando que a pandemia estava perdendo força e que a crise sanitária estava indo embora, apesar dos apelos de cientistas e médicos infectologistas de vários órgãos do Brasil, da área de saúde, alertar a população para uma possível segunda onda do covid-19. No dia 31 de dezembro Alta Floresta contabilizava 1899 casos acumulados, 99 ativos e 26 pessoas havia perdido a vida para o vírus. 
O ano de 2021 começou com a crise em Manaus (Amazonas) com o sistema de saúde entrando em colapso, cujo fatos são do conhecimento de todos. Os meses de março e abril, o Brasil viveu o pior momento até agora da pandemia. As mortes, o colapso no sistema de saúde, com a ocupação dos leitos clínicos e de UTI em mais de 100 e a latente iminência de faltar medicamentos e insumos para o tratamento dos pacientes.   
Em março em Alta Floresta o quadro não foi diferente. O vírus se alastrou impiedosamente. A média no número de pessoas infectadas triplicou e os casos de óbitos levaram muitas famílias ao desespero. A morte espreitava a todos. O mês fechou com 70 mortes e os casos acumulados saltaram para 5.985. 
Em abril, o munícipio de Alta Floresta, na quarta-feira, dia 28, passou a ter três dígitos na contabilidade de seus mortos, chegando a 101 pessoas que perderam a vida para o covid-19. 
Conforme Mato Grosso do Norte já publicou em edições anteriores, o maior número de óbitos se concentra na faixa etária dos 56 aos 80 anos, com 62% dos casos registrados. No entanto, registram-se mortes entre as demais faixas etárias em menor grau, com exceção de pessoas com até 5 anos. Porém, forem registrados óbitos em pessoas a partir dos 6 anos. 


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte