Jornal MT Norte
Publicidade
Brasil inicia campanha de imunização e amplia discussão sobre a retirada da vacina
Há uma expectativa pelo maior reconhecimento internacional do trabalho desenvolvido em relação à erradicação da febre aftosa no Brasil
09:17   03 de Maio, 2021
0f48236c5b95bd387db5cf3d3e4de19f.jpg

Assessoria

Começou no sábado, 1, a primeira etapa da campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa de 2021. Nessa etapa deverão ser vacinados bovinos e bubalinos de todas as idades, para a maioria dos estados brasileiros, conforme o calendário nacional de vacinação. 
O Brasil deve vacinar em maio 170 milhões de animais contra a febre aftosa durante a primeira etapa da campanha nacional de imunização de 2021. Serão imunizados bovinos e bubalinos de todas as idades na maioria dos 21 Estados.
Segundo informações da Divisão de Febre Aftosa da Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a retirada da vacina contra a febre aftosa prevista para 2021 foi suspensa em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Entretanto, o País recebeu parecer favorável da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) para reconhecimento dos estados do Paraná, do Rio Grande do Sul e do Bloco I (Acre, Rondônia e parte do Amazonas e do Mato Grosso) como zonas livres de febre aftosa sem vacinação. Em maio, o tema será avaliado durante a 88ª Sessão Geral da Assembleia Mundial dos Delegados da OIE.
Impactos da retirada da vacinação- A vacinação visa manter a imunidade do rebanho em um nível alto, enquanto todas as etapas necessárias para a retirada da vacina em cada bloco sejam atendidas, conforme previsto pelo Pnefa. Impedindo assim uma reintrodução da doença. 
Com a retirada da vacinação, há uma expectativa pelo maior reconhecimento internacional do trabalho desenvolvido em relação à erradicação da febre aftosa no Brasil. “Isso se traduz na ampliação de mercados importadores de carne e outros produtos dessa indústria. Também se espera uma redução de custos para o sistema produtivo, pois os gastos com a vacina e o manejo do gado também sairão da rotina dos produtores”, explica Fábio Paarmann, integrante da Comissão Técnica de Saúde Animal do CRMV-SP. 
Para Mossero, alcançar esse status significa que todo o trabalho que envolve o sistema de Defesa Sanitária Animal do País está funcionando. Que a integração entre atividades oficiais e da iniciativa privada está ocorrendo, e que os produtores e as comunidades locais estão envolvidos. 
Com o avanço dessa nova fase e das maiores garantias sanitárias na qualidade do produto, ampliam-se as chances de negociação e o valor final agregado. 


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte