Jornal MT Norte
Publicidade
Detran de Alta Floresta permanece fechado e empresários reclamam de prejuízos
Na segunda-feira, 3, todas as unidades do Detran de Mato Grosso deveriam ter voltado a atender presencialmente, o que não ocorreu em de Alta Floresta
09:24   05 de Maio, 2021
8a0d6472a348743ff0cb6d944c3c1a8a.jpg

Edemar Savariz
Mato Grosso do Norte

Diante do avanço da pandemia do Covid-19 em Mato Grosso e em atendimento ao decreto estadual n° 874 de 25, de março de 2021, o Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) suspendeu o atendimento presencial em todas as unidades da autarquia no Estado. 
A paralisação dos serviços presenciais do Detran na cidade de Alta Floresta, está causando diversos transtornos aos usuários, principalmente as concessionárias de veículos que necessitam diariamente da liberação de documentos, vistorias em veículos e transferências.
A suspensão das atividades de atendimento ao público, inicialmente, seria pelo prazo de 10 dias. Sendo que na última segunda-feira, 3, todas as unidades do Detran de Mato Grosso deveriam ter voltado a atender presencialmente, o que não ocorreu no município de Alta Floresta. Esta atitude do órgão desacata uma determinação do Governo do Estado.
“A partir do momento que eu não tenho o atendimento no Detran eu tenho que pagar vistoria por fora, para uma empresa privada. Não entendo porque eles não querem voltar a trabalhar, está faltando veículos e o movimento caiu. Todos os setores do governo estão trabalhando normalmente, por que somente o Detran não quer voltar a atender os usuários?”, reclama o empresário Abdo Assaf. 
O empresário disse que está no ramo de revendas de carros há 20 anos em Alta Floresta e questiona o atendimento no órgão. “Se referindo ao Detran, quando a impressora está boa, falta papel. O dia que tem papel a impressora está quebrada, outras vezes a internet está fora do ar. Tem um feriado é emendado por dias e agora em plena pandemia o país inteiro está em crise e em vez de todos colaborarem, o Detran está fechado há mais de 30 dias. Está paralização interfere diretamente na economia do município”, enfatiza.
“Se o Detran fosse privatizado nós não estaríamos à mercê deles. Em Mato Grosso os mercados, os Correios, as lojas, as oficinas, enfim, todos os comércios estão trabalhando. Eu não sei se os funcionários do Detran são diferentes do resto da população. Estão todos temendo a pandemia, mas não podemos abandonar desta maneira, o Detran não pode desafiar as ordens do governo que determinou a volta dos atendimentos. Eu queria fazer uma pergunta aos funcionários do Detran daqui de Alta Floresta, se eles estão realmente trancados dentro de casa com medo da pandemia? Se eles não estão indo para o rio, fazendo festas e tomando cerveja? Eu vejo o Detran de Alta Floresta como uma vergonha para a cidade”, complementa Assaf.
Leandro André dos Santos Martins, que trabalha com revendas de veículos reclama das pendências de documentos parados no órgão. “Com o Detran fechado nós ficamos com os nossos serviços pendentes por conta das documentações, clientes que pegam os veículos sem poder fazer a transferência para o seu nome, gerando transtornos. Outra questão é referente as abordagens da Polícia Militar, que o proprietário fica numa situação complicada para resolver o problema. Também na questão de vendas de veículos, que gera insegurança do proprietário não poder fazer a transferência. O órgão permanecendo fechado está gerando muito aborrecimento para a sociedade. Pedimos as autoridades do município, ao prefeito, vereadores, que interfiram junto ao Governo do Estado, exigindo que o órgão volte ao atendimento normal”, disse André.

Para André, outra questão que tem que ser levado em consideração é referente aos custos dos serviços que devem ser feitos de forma presencial com empresas terceirizadas. Uma vistoria tem o custo de R$ 110 reais para a empresa e o processo para a realização só pode ser realizada pelos despachantes ao custo de R$ 100 reais. A transferência diretamente realizada no Detran tem o custo total de R$ 250 reais, com estas voltas que estão ocorrendo está saindo por R$ 460 reais.
Outra fonte que não quis se identificar disse que está difícil fazer o licenciamento de veículos com o Detran não realizando o trabalho presencial. “Tem atividades que não podem ser online, têm que ser presencial. Eu estou pagando R$ 110 reais para realizar uma vistoria e isso é um absurdo”, disse.
Outra questão alvo de reclamação é sobre as vistorias. A fonte diz que a maioria dos veículos sai da fábrica com lâmpadas de leds, e nas vistorias que são realizadas, não aceitam e exigem que as lâmpadas dos veículos sejam amarelas. “Eles colocam defeitos em tudo, até nos pneus dos veículos”, questiona a fonte.
Em contato com o Detran de Alta Floresta, o órgão informou que só voltará as atividades presenciais quando o município estiver classificado com risco moderado no contágio da covid- 19.


 

Compartilhe nas redes sociais

COMENTÁRIOS
© Copyright 2014 Jornal Mato Grosso do Norte